Pandemia provoca queda de 2,3% no PIB no primeiro trimestre

O INE tinha apontado, na estimativa rápida divulgada há duas semanas que a queda homóloga do PIB nacional seria de 2,4% em termos homólogos e de 3,9% em cadeia.

A economia portuguesa contraiu 2,3% em termos homólogos no primeiro trimestre de 2020, de acordo os dados divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Em causa está o impacto da pandemia de Covid-19 na atividade económica do país, ainda assim, 0,1 pontos percentuais (p.p.) baixo da previsão do instituto.

A estimativa rápida das contas nacionais trimestrais, publicada há duas semanas, apontava para uma queda homóloga do Produto Interno Bruto (PIB) português de 2,4% em relação aos primeiros três meses de 2019 e de 3,9% em cadeia, mas o saldo comercial acabou por ser melhor do que o esperado.

“O contributo da procura externa líquida para a variação homóloga do PIB passou de positivo no quarto trimestre a negativo (de 1,1 p.p.  para -1,3 p.p.), observando-se uma diminuição mais intensa das exportações de bens e serviços (-4,9%) que a observada nas importações de bens e serviços (-2,0%). A procura interna apresentou um contributo negativo (-1,1 p.p.), pela primeira vez desde o terceiro trimestre de 2013, em resultado da diminuição do consumo privado e do investimento”, segundo o relatório então divulgado pelo organismo nacional de estatística.

Entre janeiro e março deste ano, o consumo público desacelerou para uma variação homóloga de 0,5% e as despesas de consumo final das famílias residentes registaram uma diminuição homóloga de 1,1% em volume, após ter registado um acréscimo de 2% no trimestre anterior.

“Quando comparado com o quarto trimestre de 2019, o investimento total aumentou 0,2%, após a diminuição de 4,8% no trimestre anterior. A variação em cadeia da FBCF [Formação Bruta de Capital Fixo] foi 1,8% no 1º trimestre (-0,9% no quarto trimestre), enquanto o contributo da variação de existências para a variação em cadeia do PIB foi -0,3 p.p. (-0,8 p.p. no trimestre anterior)”, lê-se no documento divulgado hoje.

Recomendadas

Exportações agroalimentares sobem 0,4% até junho para 3.285 milhões de euros

Só em junho, as exportações progrediram 5,2% para 552 milhões de euros, em comparação com o mesmo mês do ano anterior, enquanto as importações recuaram 0,7% para 801 milhões de euros.

Processamento de vistos nacionais volta a estar disponível

O Ministério dos Negócios Estrangeiros confirmou ainda que o serviço para pedidos de visto nacionais pode ser feito nas “línguas portuguesa, inglesa, francesa, russa e ucraniana”

“Julho evidencia travagem na recuperação das viagens e do turismo”, alerta a EY/Parthenon

A quarta edição do “Caderno de Notas” da EY/Parthenon, sobre “A crise económica da Covid-19” – divulgada esta sexta-feira, 7 de agosto – um trabalho elaborado com a supervisão e direção científica de Augusto Mateus, strategic consultant da EY Portugal, traça a análise da crise económica ao quinto mês da pandemia.
Comentários