Para o que der e vier

A diplomacia é o contrário da inércia, é o risco da ação, pela avaliação constante do modo de defender os nossos interesses na teia dos interesses globais.

No Palácio das Necessidades de outros tempos, havia umas curiosas figuras, uns diplomatas com carreiras pouco notáveis, a quem, por prudência, nunca tinham sido atribuídas especiais responsabilidades ou que, tendo-as algum dia tido, não haviam estado à altura daquilo que lhes fora pedido. Colocados por isso, no seu regresso a Lisboa, em repartições secundárias, pouco tendo que fazer, pairavam pelas salas para belas conversas, contando histórias e alimentando a curiosidade dos neófitos recém-chegados à casa.

Era aquilo a que alguns chamavam os “velhos ministros de segunda”, isto é, funcionários que tinham categoria hierárquica de “ministro plenipotenciário de segunda classe“, a mínima para chefiarem uma embaixada, mas que o bom-senso recomendava que fossem mantidos, tanto quanto possível, pela “secretaria de Estado”, nome pelo qual os serviços lisboetas no MNE são conhecidos no jargão diplomático. Um dia, num qualquer “movimento”, lá iriam para uma sinecura periférica, graças ao apelido ou a um diretor-geral amigo.

Nesse entretanto, as geografias lúdicas de eleição dessas figuras eram uns sofríveis sofás de napa clara que abrilhantavam as nossas salas de trabalho. Tratava-se, quase sempre, de gente muito simpática e agradável. Abancavam por ali, fumando às vezes o seu cachimbo ou a sua boquilha, saltitando a conversa entre os cinco ou seis colegas que, à sua revelia, procuravam trabalhar. Eles “faziam sala”, lembravam episódios, tentavam ser pedagógicos com os jovens colegas que lhes ouviam, fascinados, histórias apimentadas ocorridas em postos bizarros, locais onde às vezes tinham criado a fama que acabara por transformar o seu currículo num cadastro profissional que traziam colado ao nome.

Uma dessas personagens, um dia, resolveu teorizar sobre política externa. No tema, o nosso homem era um elaborado cultor da inércia. Desenvolvia uma teoria segundo a qual a ação era quase sempre o caminho para o erro. “Em política externa”, dizia ele, “as mais das vezes a atitude mais prudente é nada fazer”. E explicava porquê: “Quase nada depende de nós. Quem decide as coisas que importam no mundo não é sensível a uma voz fraca como a do nosso país”. Alguém cuidou então em inquirir, já no limiar da ousadia : “Mas, nesse caso, o que é que andamos aqui a fazer?” O nosso homem não se desmanchou: “Estamos aqui para o que der e vier”. E, com o sorriso esfíngico e bigode de coronel das Índias, fechou atrás de si a porta e deixou-nos a digerir a, seguramente sábia, metáfora.

Tenho por aí visto os cultores da máxima “menos Estado, melhor Estado” – a que quase sempre se esquecem de acrescentar “e o que sobrar que seja para nós” –  proporem uma redução da estrutura diplomática, talvez porque também achem que são os outros que, no fundo, decidem a nossa vida. Se um país como Portugal tivesse ficado à espera da História, a sua capacidade de autodeterminar a sua vida estaria hoje reduzida a zero. A diplomacia é o contrário da inércia, é o risco da ação, pela avaliação constante do modo de defender os nossos interesses na teia dos interesses globais. Numa coisa o meu velho colega tinha razão: a nossa diplomacia aí está, desde sempre, para o que der e vier.

Recomendadas

Votar? Votar, pois então!

Prefiro ver alguns dos aspectos positivos que este acto eleitoral veio mostrar. Primeiro, que o voto antecipado e por correspondência está em crescendo.

Arrivederci, caro Mario

Tem sido um longo adeus, o do italiano que ainda dirige o Banco Central Europeu (BCE), mas com um inesperado twist no final.

Poupar é ‘cool’

De cada vez que gastamos dinheiro em algo que não nos dá um rendimento, estamos a sacrificar o nosso futuro financeiro. Poupar é ter a liberdade para decidir, para sermos mais donos do nosso destino.
Comentários