Paragem na refinaria de Sines faz disparar importações de combustíveis em 40% em setembro

A paragem temporária da refinaria “terá também contribuído para o decréscimo de 18,2% nas exportações de combustíveis e lubrificantes”, segundo dados divulgados pelo INE esta sexta-feira.

As importações cresceram 13,2% em setembro, em termos homólogos, enquanto as exportações aumentaram 5,8%, segundo os dados divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística. A explicar esta evolução está essencialmente a subida de 40% nas importações de combustíveis, devido à paragem temporária da refinaria de Sines.

“Nas importações, o acréscimo de combustíveis e lubrificantes refere-se essencialmente a produtos transformados, justificado em parte com o encerramento para manutenção da refinaria de Sines na primeira quinzena de setembro”, refere o relatório do organismo de estatística.

O INE explica ainda que a paragem temporária da refinaria, que já se tinha feito sentir em agosto, “terá também contribuído para o decréscimo de 18,2% nas exportações de combustíveis e lubrificantes”, tendo sido este o único decréscimo na globalidade das grandes categorias económicas em ambos os fluxos.

A par dos combustíveis, oriundos principalmente de Espanha, também a importação de material de transporte contribuiu para o aumento das importações, ao subir 30,1% face ao mês homólogo de 2018, com França e Alemanha a representarem os principais fornecedores.

Mas também a venda de bens em setembro refletiu o aumento de 19,8% de material de transporte. “O acréscimo do material de transporte em ambos os fluxos resultou principalmente dos aumentos de outro material de transporte (maioritariamente aviões)”, identifica o INE.

[Atualizado às 11h45]

Ler mais

Relacionadas

Importações crescem 6,3% no terceiro trimestre. Exportações sobem apenas 1,2%

Compra de bens ao exterior continuou a subir mais do que a venda de bens, segundo dados do INE. Défice da balança comercial de bens aumentou 518 milhões de euros face ao período homólogo de 2018, no trimestre terminado em setembro.
Recomendadas
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo considera aumento do salário mínimo “razoável” e promulga hoje o diploma

O Presidente da República vai promulgar hoje o diploma que estabelece um aumento do salário mínimo nacional para 635 euros em 2020, que considera “uma solução razoável, a pensar na economia e na sociedade portuguesa”.

Exclusivo: Farfetch com ‘breakeven’ em 2021 é “cenário perfeitamente realista”, diz José Neves

Em entrevista ao JE, o CEO diz que a empresa ainda não tem ‘guidance’ oficial, mas vê como correta a estimativa dos analistas sobre o ‘breakeven’ ao nível do EBITDA daqui a dois anos. A melhoria da margem no terceiro trimestre mostra o caminho a seguir, diz, mostrando confiança numa subida das ações. Cotação do título dispara 33% na abertura em Wall Street.

Carlos Costa: Instabilidade financeira iria “criar muitos problemas que alimentariam” populismos

Governador do Banco de Portugal voltou a apelar a uma vontade política decisiva para avançar com a conclusão da União Bancária e o desenvolvimento da União dos Mercados de Capitais, a fim de fortalecer a estabilidade da zona euro.
Comentários