Parlamento aprova auditoria do Tribunal de Contas ao Novo Banco. Saiba o que vai ser escrutinado

Estão definidos os focos de interesse da auditoria do Tribunal de Contas ao Novo Banco, depois da insatisfação parlamentar com a auditoria deita pela Deloitte e das questões quanto à alienação de determinados ativos do banco.

A Assembleia da República aprovou a proposta que define o âmbito da auditoria ao Novo Banco pedida ao Tribunal de Contas, depois do voto favorável unânime na Comissão de Orçamento e Finanças, avança o ECO. A publicação avança que a auditoria terá como foco as vendas de ativos do banco e a possibilidade de conflito de interesses nas mesmas.

De acordo com o documento a que o ECO teve acesso, a auditoria examinará a gestão do passivo e a alienação de ativos da ótica do interesse público, bem como ao registo e valorização no balanço de ativos imobiliários, créditos improdutivos e outros ativos passíveis de serem abrangidos pelo mecanismo de capital contingente.

Ainda segundo o mesmo jornal, especificamente, os deputados querem saber se algum ativo foi registado no balanço por valores sem correspondência real, se a situação especial em que se encontra o Novo Banco levou à venda de algum destes ativos em prejuízo do balanço do banco, se as vendas efetuadas acautelaram os interesses públicos ou se existiu algum conflito de interesses nos negócios em causa.

Recomendadas

Tribunal da Concorrência declara prescrição de coimas do BdP a ex-administrador do Montepio

Tribunal da Concorrência declarou a prescrição das contraordenações imputadas pelo supervisor ao ex-administrador do Montepio Rui Amaral, num processo que já teve sentença anulada pelo Tribunal da Relação e que tem novo início agendado para a semana.

Novo Banco lança serviço de agregação financeira para negócios e empresas

O Novo Banco lançou a NBnetwork+ para apoiar a gestão financeira diária das empresas. Este serviço encontra-se integrado no NBnetwork, o homebanking para os clientes negócios e empresas, anuncia o banco em comunicado.

Tribunal de Justiça da UE confirma que BCE pode manter documentos confidenciais sobre o BES

No acórdão, o Tribunal de Justiça nega provimento ao recurso da sociedade luxemburguesa Espírito Santo Financial Group (uma das entidades através da qual o GES assegurava o controlo do BES) que pedia a anulação da decisão do BCE de 31 de agosto de 2016, que recusou parcialmente o acesso a certos documentos relativos a decisões sobre o BES tomadas em reuniões do supervisor.
Comentários