Parlamento avança com pedido de mais documentos ao Fundo de Resolução

A Comissão de Orçamento e Finanças vai pedir ao Fundo de Resolução o acordo parassocial, assinado entre esta entidade e o fundo norte-americano Lone Star e o acordo de servicing, assinado entre o FdR e o Novo Banco, em 2018.

Filipe Neto Brandão

O Parlamento vai enviar esta quinta-feira o pedido para mais documentação ao Fundo de Resolução (FdR) sobre os contratos de venda do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star.

“Considerou-se a resposta à informação incompleta do Novo Banco”, disse ao Jornal Económico a deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua, dando nota de que a Comissão de Orçamento e Finanças (COF) aprovou o requerimento entregue ontem pelo partido para ter acesso a mais documentação.

A parlamentar explicou que tendo por base o requerimento para que o FdR envie o acordo parassocial, assinado entre esta entidade e o fundo norte-americano, Lone Star, que controla 75% do Novo Banco, e o acordo de servicing, assinado entre o FdR e o Novo Banco, em 2018, “o pedido segue hoje”.

Ontem, o BE considerou que a resposta do FdR ao requerimento para ter acesso ao contrato de compra e venda está incompleta. “Na resposta (…) o Fundo de Resolução mencionou várias peças contratuais, a saber: i) o contrato de compra e venda (enviado como anexo 1); o aditamento a esse mesmo contrato (enviado como anexo 2); ii) o acordo de capitalização contingente (anexo 3); e ainda iii) o acordo parassocial e iv) o acordo de servicing relativo à gestão operacional dos ativos do acordo de capitalização contingente. Os dois últimos documentos, apesar de mencionados na carta que enquadra a resposta do FdR, não foram enviados à Assembleia da República”, lê-se no requerimento apresentado por Mariana Mortágua.

“O grupo parlamentar do Bloco de Esquerda requer, com caráter de urgência, que o Fundo de Resolução envie a esta comissão o acordo parassocial entre o Fundo de Resolução e a Nani Holdings e o acordo de servicing relativo à gestão operacional dos ativos integrantes do acordo de capitalização contingente celebrado entre o Fundo de resolução e o Novo Banco”, acrescenta.

Neto Brandão sobre selo de confidencialidade: “Ninguém esconde nada”

O presidente da COF, Filipe Neto Brandão, esclarece que a documentação enviada pelo FdR ao Parlamento está disponível para os deputados que integram a comissão, explicando que mantém o respeito pela classificação de origem.

“Ninguém esconde nada”, afirmou o parlamentar socialista ao Jornal Económico, questionado sobre a notícia desta quinta-feira do Correio da Manhã, que diz que Neto Brandão optou por manter em segredo os contratos de venda do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star.

O presidente a COF afirma que “a Assembleia tem mantido a classificação de origem do remetente”, o que não impede que tal “poderá a vir ser objeto de reponderação”. No entanto, vinca que a documentação foi disponibilizada aos deputados.

Os documentos enviados pelo Fundo de Resolução foram enviados com o selo de confidencialidade e segundo as regras da Assembleia, a documentação é distribuída mantendo o grau de classificação de que é remetida, levando a que uma alteração implique um análise jurídica.

O Parlamento recebeu na terça-feira dois contratos que incluem o contrato de compra e venda e de subscrição de ações do Novo Banco e o acordo de que criou o mecanismo de capitalização contingente (CCA).

Ler mais

Relacionadas

Novo Banco. BE pede ao Fundo de Resolução o acordo parassocial e acordo de servicing sobre a gestão dos ativos do mecanismo de capital contigente

Mariana Mortágua, deputada do BE, pede com caráter de urgência que o Fundo de Resolução envie à Assembleia da República o acordo parassocial e o acordo de servicing, que definiu as regras de gestão dos ativos por que responde o mecanismo de capital contingente.

Fundo de Resolução confirma. Parlamento recebeu cópia do contrato de compra e venda do Novo Banco e do acordo de capitalização contingente

Na sequência do requerimento do Bloco de Esquerda, o Fundo de Resolução disse que enviou no dia 12 de junho à Comissão de Orçamento e Finanças o contrato de compra e venda do Novo Banco celebrado entre o Fundo de Resolução e a Nani Holdings, dona da Lone Star, e ainda o acordo que instituiu o mecanismo de capitalização contingente.

Fundo de Resolução envia dois contratos do Novo Banco para o Parlamento. BE fala em “cláusulas escondidas”

Foram enviados hoje à Comissão de Orçamento e Finanças dois contratos envolvendo a venda do Novo Banco, o contrato de venda e o Acordo de Capitalização Contingente. O requerimento tinha sido aprovado por unanimidade e proposto pelo Bloco de Esquerda e a resposta chegou encriptada ao presidente da COF, Filipe Neto Brandão. A coordenadora do BE, Catarina Martins, crítica “cláusulas escondidas” e teme que hajam “credores privilegiados” contra o interesse público.
Recomendadas

Abertos concursos para escolas contratarem 800 novos técnicos especializados

As escolas vão poder contratar mais de 800 novos técnicos especializados no âmbito do plano de desenvolvimento pessoal, social e comunitário, lançado recentemente, e tendo como finalidade o próximo ano letivo”, lê-se num comunicado hoje divulgado pelo Ministério da Educação.

Portugal com 213 casos de infeção e três mortes por Covid-19

Região de Lisboa e Vale do Tejo regista o número mais elevado de infeções ao dia de hoje, tendo confirmado mais 1447 casos em relação aos dados da véspera. O número de casos recuperados em Portugal aumentou para 37.840.

Durão Barroso considera que Fundo de Recuperação acordado em Bruxelas é “uma orgia financeira”

O antigo presidente da Comissão Europeia Durão Barroso defende que a Portugal terá de fazer uma boa gestão dos fundos comunitários e que a Assembleia da República deve reforçar o seu papel de fiscalização sobre a sua aplicação.
Comentários