Parlamento vai pedir ao Ministério Público auditoria à Caixa Geral de Depósitos

Esta posição foi tomada esta quarta-feira pela presidente da comissão parlamentar, Teresa Leal Coelho, e respaldada pelos grupos parlamentares presentes.

Cristina Bernardo

A comissão parlamentar de Orçamento e Finanças vai pedir à Procuradoria-Geral da República (PGR) o acesso ao relatório da auditoria feita à gestão da CGD entre 2000 e 2015, depois de o banco público ter novamente recusado o acesso. caixaEsta posição foi tomada esta quarta-feira pela presidente da comissão parlamentar, Teresa Leal Coelho, e respaldada pelos grupos parlamentares presentes.

“Vou pedir à PGR que faculte o relatório, uma vez que cabe à PGR dizer se se trata ou não de um documento em segredo de justiça e por isso mesmo irei fazer este pedido”, disse Teresa Leal Coelho, na Comissão de Orçamento e Finanças.

Pela segunda vez, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) voltou a recusar divulgar ao parlamento o relatório da auditoria à gestão entre 2000 e 2015, justificando agora com o segredo de Justiça, já que o documento está no Ministério Público.

Na resposta na posse dos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças, a que a Lusa teve acesso, o banco público considera que é legitimo a Assembleia da República (AR) pedir documentos que considere úteis ao seu mandato, mas insiste na recusa, justificando com o segredo de justiça.

“No entanto, como é do conhecimento público, a pedido do Ministério Público (por ofício de 15 de junho de 2018) o documento em análise foi enviado aos autos do inquérito que aí corre, pelo que estamos impedidos de fornecer a V. Exas, sob pena de violação do segredo de Justiça”, refere a carta assinada pelo presidente executivo do banco, Paulo Macedo, e pelo presidente do Conselho de Administração, Rui Vilar.

Os mesmos afirmam ainda que os membros dos órgãos de administração ou de fiscalização do banco, assim como os trabalhadores, podem ter “pena de prisão até um ano ou multa até 240 dias” se divulgarem informações privilegiadas, considerando que “os factos ou elementos aqui relevantes estão vertidos num documento, o relatório, pelo que a divulgação do documento corporizaria a divulgação dos factos ou elementos em causa”.

Já sobre a hipótese de divulgar aos deputados o relatório mas retirando-lhe as partes abrangidas pelo dever de segredo, como aqueles haviam pedido, consideram os responsáveis da CGD que “tornaria o relatório inútil, na medida em que restariam apenas textos de teor incompreensível ou informação de natureza geral e pública, relativa a indicadores macroeconómicos e outros indicadores relevantes e à situação financeira da Caixa Geral de Depósitos no período de 2000 a 2015, aquele a que o relatório respeita”.

Já em julho do ano passado, a CGD se havia negado a enviar a auditoria aos seus atos de gestão à comissão parlamentar de Orçamento e Finanças, alegando o segredo bancário, uma resposta que não foi aceite pelos deputados, que consideraram mesmo deselegante, até por ter sido assinada pelo secretário da sociedade.

Então, os parlamentares decidiram devolver a carta, alegando que teria sido “um lapso, tanto pelo conteúdo como pela assinatura”, e pediram novamente o relatório da auditoria.

A carta que agora chegou volta a negar aos deputados o acesso à informação.

Contudo, o tom é mais cuidado e Paulo Macedo e Rui Vilar, logo no segundo parágrafo, dizem que não querem “deixar de enfatizar o respeito, institucional e não só, que merece a Assembleia da República e os senhores deputados que a compõem”.

A auditoria à CGD, pedida pela comissão de Orçamento e Finanças, que aprovou por unanimidade um requerimento do PSD, diz respeito a atos de gestão do banco público praticados entre 2000 e 2015.

Ler mais
Relacionadas

CGD alega segredo de justiça e volta a recusar enviar ao Parlamento auditoria à sua gestão

A Caixa Geral de Depósitos voltou a recusar divulgar ao parlamento o relatório da auditoria à gestão entre 2000 e 2015, tal como o havia feito em julho, justificando agora com o segredo de Justiça, já que o documento está no Ministério Público.

Vale do Lobo: Caixa deixa de ser acionista e BCP refinancia dívida

O banco presidido por Paulo Macedo vendeu os títulos que possuía na holding desde 2006 (o valor não é conhecido) ao fundo gerido pela sociedade de capital de risco ECS.

Divulgação de grandes devedores à banca vai hoje ser votado na COFMA

A votação está agendada para hoje, quarta-feira, e tudo indica que o texto de consenso proposto por iniciativa dos sociais-democratas vai ser aprovado na especialidade, com a abstenção do PS, na versão que inclui todos os bancos que beneficiaram de ajuda do Estado e não apenas os que não a chegaram a devolver.
Recomendadas

Governo avança com lei que permite aos bancos contabilizar como custo fiscal as novas imparidades

“A presente alteração visa sanar a divergência entre os sistemas contabilísticos e fiscais no que respeita ao tratamento de perdas por imparidades associadas a operações de crédito. Prevêem-se ainda regras disciplinadoras para as perdas por imparidade registadas nos períodos de tributação com início anterior a 1 de janeiro de 2019, e ainda não aceites fiscalmente”, diz o último comunicado do Conselho de Ministros

BPI vence Prémio Cinco Estrelas na categoria de Banca Digital

O BPI é líder na penetração do homebanking, com quase metade dos seus clientes particulares a serem utilizadores deste canal. O mesmo acontece no caso dos clientes empresariais, em que 84,5% usam os canais digitais do Banco. Isto segundo o estudo BASEF Banca relativo ao período de fevereiro a agosto de 2018.

BCP é a Escolha do Consumidor 2019 na categoria Grandes Bancos

O Banco registou o maior grau de satisfação dos inquiridos face à concorrência, com 7,33 (de 1 a 10), terminando com um índice de satisfação de 71,69% entre os dois mil consumidores consultados.
Comentários