PremiumPartidos guardam sentido de voto no Orçamento Suplementar para especialidade

Esquerda não se compromete já com a aprovação do Orçamento Suplementar e espera pelo debate na especialidade. Direita também quer negociar.

Cristina Bernardo

Para já, ainda não é certa a forma como os partidos vão votar a proposta de Orçamento Suplementar apresentada pelo Governo na Assembleia da República. Certo é que os ex-parceiros da geringonça estão na expectativa de ver algumas das suas propostas integradas na redação final do documento. Já a direita critica a proposta orçamental por não revelar as perspetivas orçamentais para 2021, e diz que há medidas que aparecem de forma “incompleta”, mas mostra-se disponível para negociar.

O reforço adicional de 500 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) inscrito no Orçamento Suplementar foi uma das medidas mais positivas destacadas pelo BE. Aos jornalistas, a deputada bloquista Mariana Mortágua afirmou que “esse investimento é hoje mais do que nunca necessário e prioritário”, e anunciou que o partido vai agora analisar os mapas para confirmar se as medidas anunciadas têm “cabimento orçamental”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Costa considera que emissão da dívida é um “dia histórico” para a recuperação europeia

O primeiro-ministro afirma que esta ferramenta permite que o bloco europeu tenha “um programa mais robusto a menor custo” e prova a “credibilidade” da União Europeia. “O futuro começa hoje”, frisou.

Índice de confiança do ISEG na economia volta a subir em maio

O índice de confiança do Instituto Superior de Economia e Gestão na evolução da economia no curto prazo fixou-se em 33,2 no mês passado.

Comissão Europeia já concluiu avaliação do PRR português

O colégio de comissários europeus concluiu esta terça-feira a avaliação do Plano de Recuperação e Resiliência português, a par do plano espanhol, grego, dinamarquês e do Luxemburgo. A aprovação do PRR pela Comissão Europeia será marcada pela visita da presidente da instituição, Ursula von der Leyen, a Lisboa para entregar pessoalmente ao primeiro-ministro, António Costa, o resultado da análise feita pelo executivo comunitário.
Comentários