PremiumParvalorem: imóveis ao abandono e 96% do crédito em contencioso

O JE inicia esta semana um conjunto de trabalhos sobre a carteira da Parvalorem, onde se colocaram os ativos mais problemáticos da falência do BPN, desde a OMNI às propriedades em Porto Santo.

Parece um puzzle com peças que não encaixam. Pela diversidade e heterogeneidade dos ativos que tem em carteira, agravada por múltiplas situações de contencioso, a Parvalorem tem pela frente um futuro imprevisível. De acordo com o último relatório de execução orçamental trimestral deste veículo estatal que ficou com os ativos do antigo BPN, dos 3,6 mil milhões de euros que a empresa tem em créditos a receber, a quase totalidade (96%) está em contencioso, o que provoca uma “grande incerteza” quanto à sua recuperação.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas
Supremo Tribunal de Justiça

Supremo indemniza maquinista da MTS despedido após levar filha na cabina

Relação de Lisboa já tinha defendido que responsabilidades parentais do trabalhador divorciado se sobrepunham aos direitos da concessionária do metro de superfície em Almada e no Seixal. Segue-se cálculo do valor a pagar a quem foi despedido por nove faltas consideradas injustificadas.

20 maiores devedores do Novo Banco deixaram buraco de 1,26 mil milhões de euros

Prejuízo foi pago à entidade bancária pelos contribuintes com base no Acordo de Capitalização Contingente (ACC), entre 1 de julho de 2016 e o final de 2018.

Perdas de empresa de Luís Filipe Vieira custam 181 milhões de euros aos contribuintes

Entre julho de 2016 e até final de 2018, os créditos da Promovalor deram ao Novo Banco perdas de 181 milhões de euros, mas como estes créditos estavam abrangidos pelo Acordo de Capitalização Contingente (ACC), foram os contribuintes que tiveram de pagar ao NB.
Comentários