Passes ‘low cost’: Passageiros nos comboios suburbanos dispararam 16%

O INE registou um aumento na circulação de passageiros nos metros, sendo que o metro de Lisboa foi quem transportou mais passageiros, cerca de 46,1 milhões. A tendência de crescimento é visível também nos aeroportos portugueses.

No segundo trimestre de 2019, a circulação de passageiros nos transportes aéreos e metropolitanos portugueses aumentou. De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgados hoje, a entrada em vigor dos passes low cost provocou uma subida de dois dígitos nos comboios suburbanos.

Os passes low cost entraram em vigor em abril, e o número de passageiros transportados nos comboios suburbanos disparou 16,2% no segundo trimestre face a período homólogo, para 38.778 passageiros. Numa comparação direta com o primeiro trimestre (33.051 passageiros), o número de passageiros disparou 17,3%.

Já o movimento de passageiros transportados por metropolitano cresceu para 68,2 milhões enquanto que pelos aeroportos nacionais passaram 16,7 milhões de passageiros. Segundo o INE, o metro de Lisboa transportou 46,1 milhões de passageiros, o do Porto 18,1 milhões e o metro Sul do Tejo 4,0 milhões

Feitas as contas, em comparação com o primeiro trimestre, os metropolitanos registaram um aumento de 8,5% em termos de circulação de passageiros (6,1% no primeiro trimestre) e os aeroportuários 7,8% (5,4% no arranque do ano).

O transporte fluvial de passageiros também manteve a forte tendência de adesão, apesar de ter arrefecido em comparação ao arranque do ano. No segundo trimestre de 2019, foram transportados 5,5 milhões de passageiros por via fluvial, abrangendo transporte nacional e internacional, a que correspondeu um aumento de 8,3%. No primeiro trimestre, o INE registou um crescimento de 12,6%.

Circulação nos aeroportos e metropolitanos

O aumento na circulação de passageiros nas áreas metropolitanas deu-se devido à entrada em vigor dos novos passes urbanos. Desde que entrou em vigor a redução do preços dos transportes, em abril, Lisboa e Porto registaram um acréscimo de 167 mil passes. Na Área Metropolitana de Lisboa, o número de utilizadores aumentou 26%, o equivalente a 143 mil novos utilizadores. Já na Área Metropolitana do Porto o aumento foi de 16%, ou 24 mil assinaturas.

Para além do aumento do número de passageiros nos aeroportos, o INE registou também um crescimento no número de aeronaves que aterraram nos aeroportos nacionais. No segundo trimestre deste ano, aterraram 62,8 mil aeronaves em voos comerciais nos aeroportuários portugueses.

O aeroporto de Lisboa movimentou 8,4 milhões de passageiros cela (21,2%)(correspondendo a metade do movimento total) e registou um acréscimo de 8,5%. O aeroporto do Porto concentrou a segunda maior parte do total de passageiros e registou o maior crescimento entre os principais aeroportos tendo atingido 3,5 milhões. No aeroporto de Faro, o movimento de passageiros ascendeu a 3,0 milhões verificando-se um aumento de 5,0%.

Há mais 167 mil passes em Lisboa e Porto desde a redução dos preços

 

 

Ler mais
Recomendadas

Acusação a Ricardo Salgado está parada devido a questões processuais

O processo em que o Banco de Portugal investiga o papel de Ricardo Salgado na sociedade criada para financiar o “buraco” no Grupo Espírito Santo está “preso” porque ainda não levantado o sigilo profissional de um advogado. Ordem dos Advogados tem palavra decisiva.

Santa Casa assina contrato de 3,7 milhões com fornecedor norte-americano de “raspadinhas”

A IGT Global Solutions já tinha sido escolhida em 2016 para o fornecimento de bilhetes de lotaria instantânea durante três anos, num concurso público no valor de 28,5 milhões de euros.

EDP investiu 125 milhões de euros em políticas reduzidas em carbono em 2019

O CDP – Disclosure Insight Action revela que em 2019 as empresas europeias investiram cerca de 124 mil milhões de euros em medidas “verdes”. No entanto, o relatório estima que as empresas precisariam de duplicar a participação de baixo capital em carbono de 12% para 25% para ser consistente com a meta de descarbonização até 2050 da União Europeia.
Comentários