PremiumPatrick Monteiro de Barros: “Berardo foi financiado pela estratégia de domínio do BCP de Sócrates”

Empresário e ex-acionista do Grupo Espírito Santo diz que “Joe Berardo foi financiado para adquirir ações do BCP e fazer parte de um núcleo que iria dominar o banco na linha imposta pelo primeiro-ministro de então”.

Cristina Bernardo

O Novo Banco nasceu de um erro que nunca deveria ter acontecido: a resolução do Banco Espírito Santo (BES). Quem o diz é Patrick Monteiro de Barros, ex-acionista do Grupo Espírito Santo, que, em entrevista ao Jornal Económico, defende que o BES deveria ter sido nacionalizado temporariamente, como os ingleses fizeram com o Lloyd’s Bank. Também acusa o Governo de Passos Coelho de ter sido “totalmente incompetente” e de só “obedecer às ordens da DGCom europeia”. Diz que o Banco de Portugal não aceitou uma garantia de Angola e isso foi um “erro terrível” para o futuro do BES. E afirma que Joe Berardo foi financiado, sem garantias, porque fez parte da estratégia de José Socrates para ter o “domínio da banca”.

Como se poderá explicara dimensão dos créditos concedidos pela Caixa Geral de Depósitos e por outros bancos, sem garantias, para compra de ações no BCP, que levou recentemente o empresário Joe Berardo a uma comissão parlamentar de inquérito? A que se deve toda esta complicação?

Não é nada uma complicação. Pode ser discutível o estilo de Berardo e a forma como fala português. A história toda – e posso dizer que sei porque abordaram-me na altura – foi uma estratégia de José Sócrates que queria dominar as mídias e a banca. Quem não se lembra da saga que foi a venda da Lusomundo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

BCP emite 450 milhões de dívida subordinada e paga 3,871%

A emissão, no montante de 450 milhões de euros, terá um prazo de 10,5 anos, com opção de reembolso antecipado pelo Millennium BCP no final de 5,5 anos, e uma taxa de juro de 3,871%, ao ano, durante os primeiros 5,5 anos.

Montepio com quebra de 77,2% nos resultados semestrais para 3,6 milhões

A justificar a queda dos resultados está a margem financeira que deslizou 11% para 120 milhões de euros. Já as comissões mantiveram-se em 57 milhões de euros. Com isto o produto bancário fixou-se em 182,2 milhões, menos 9% do que em junho de 2018.

PremiumBanco de Portugal exige fim do impasse na escolha do CEO do Montepio

Regulador enviou carta à Associação Mutualista Montepio Geral e ao Banco Montepio a pedir que fossem encontradas soluções de estabilidade governativa do banco, entre as quais, a questão da CEO do banco.
Comentários