PremiumPatrick Monteiro de Barros: “Berardo foi financiado pela estratégia de domínio do BCP de Sócrates”

Empresário e ex-acionista do Grupo Espírito Santo diz que “Joe Berardo foi financiado para adquirir ações do BCP e fazer parte de um núcleo que iria dominar o banco na linha imposta pelo primeiro-ministro de então”.

Cristina Bernardo

O Novo Banco nasceu de um erro que nunca deveria ter acontecido: a resolução do Banco Espírito Santo (BES). Quem o diz é Patrick Monteiro de Barros, ex-acionista do Grupo Espírito Santo, que, em entrevista ao Jornal Económico, defende que o BES deveria ter sido nacionalizado temporariamente, como os ingleses fizeram com o Lloyd’s Bank. Também acusa o Governo de Passos Coelho de ter sido “totalmente incompetente” e de só “obedecer às ordens da DGCom europeia”. Diz que o Banco de Portugal não aceitou uma garantia de Angola e isso foi um “erro terrível” para o futuro do BES. E afirma que Joe Berardo foi financiado, sem garantias, porque fez parte da estratégia de José Socrates para ter o “domínio da banca”.

Como se poderá explicara dimensão dos créditos concedidos pela Caixa Geral de Depósitos e por outros bancos, sem garantias, para compra de ações no BCP, que levou recentemente o empresário Joe Berardo a uma comissão parlamentar de inquérito? A que se deve toda esta complicação?

Não é nada uma complicação. Pode ser discutível o estilo de Berardo e a forma como fala português. A história toda – e posso dizer que sei porque abordaram-me na altura – foi uma estratégia de José Sócrates que queria dominar as mídias e a banca. Quem não se lembra da saga que foi a venda da Lusomundo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Banco de Portugal adopta ‘energia verde’ nos seus edifícios

“A transição para a nova forma de consumo de energia deverá estar concluída ainda durante o primeiro trimestre deste ano. Com esta medida, o Banco tem como objetivo reduzir a sua pegada de carbono”, explica a instituição

BCE pede aos bancos que evitem “distorcer” resultados de testes de stress

A cada dois anos, a Autoridade Bancária Europeia e o BCE realizam os chamados testes de stress a 50 bancos da União Europeia para medir a força das entidades bancárias em diferentes cenários de stress, como uma crise, por exemplo.

Haitong encaixou ganho de 1,97 milhões com venda de subsidiária na Irlanda

Com esta transação, o Haitong Bank reforçou significativamente a qualidade dos seus ativos e o rácio de NPL (“Non-Performing Loans”) passou a situar-se abaixo dos 5%, adianta o banco.
Comentários