Património cultural, valores partilhados

“Património Cultural – Realidade Viva” constitui uma reflexão sobre um tema candente no tempo atual.

“Património Cultural – Realidade Viva” constitui uma reflexão sobre um tema candente no tempo atual. A perigosa fragmentação europeia, a que assistimos, resulta da incompreensão em relação à memória, à história política e à sociedade. O medo do outro e do diferente, a ilusão económica, o egoísmo, a prevalência do curto prazo, a desatenção relativamente às potencialidades da sociedade e da cidadania encontram raízes fundas na desvalorização do património e da memória. Não podemos esquecer o paradoxo induzido pela tentação de encarar as identidades culturais como realidades autossuficientes e fechadas, em contraponto ao “vazio de valores” e ao relativismo.

Os nacionalismos hoje emergentes na Europa central devem-se a problemas de reconhecimento e de legitimidade, sob a influência da instabilidade e da fragmentação políticas – daí a necessidade de encontrar denominadores comuns que reconheçam as diferenças e as complementaridades. Em lugar do fechamento e do medo do outro e do diferente, importa que o local, o nacional e o supranacional se articulem sem se excluir – permitindo, pela subsidiariedade, que as identidades favoreçam a convergência para uma memória enriquecida pelo que é próprio e pelo que é comum.

Não falamos de coisas do passado, irremediavelmente perdidas num canto recôndito da nossa memória. Referimo-nos à memória viva, seja ela referida a monumentos, sítios e tradições, seja constituída por acervos de museus, bibliotecas e arquivos. Mas fundamentalmente tratamos de conhecimentos ou de expressões da criatividade humana… Ter memória é, assim, respeitarmo-nos. Cuidar do que recebemos é dar atenção, é não deixar ao abandono. Por isso, o património cultural que devemos proteger é sinal para que o que tem valor hoje e sempre não seja deixado ao desbarato. Como poderemos preservar o que é novo se não cuidarmos do que é de sempre?

A Convenção-Quadro do Conselho da Europa sobre o valor do Património Cultural na sociedade contemporânea, assinada em Faro a 27 de outubro de 2005 e entrada em vigor a 1 de junho de 2011, que coordenámos, teve como preocupação fundamental pensar na noção de património cultural comum e de construir um conceito de responsabilidade partilhada – envolvendo o património construído e material, o património imaterial, natureza, paisagem, mundo digital e criação contemporânea. As políticas públicas de cultura devem, assim, começar pelo cuidado da herança e da memória. De facto, o património cultural refere-se à permanência de valores comuns, à salvaguarda das diferenças e ao respeito do que é próprio, do que se refere aos outros e do que constitui herança comum.

Em 2018, quando a União Europeia consagrou ao Património Cultural um Ano, tal decisão constituiu um marco emblemático para um projeto europeu de paz, de hospitalidade, de entreajuda, de desenvolvimento sustentável e de defesa da diversidade cultural. Estão em causa a cidadania livre e responsável; a soberania partilhada; a união de Estados livres e soberanos; a democracia supranacional; a subsidiariedade; e o desenvolvimento orientado para a dignidade humana. Eis por que este Ano Europeu pode e deve constituir-se num desafio às Universidades, às escolas, aos investigadores, às instituições, à sociedade civil e a todos os cidadãos europeus para que o património cultural seja considerado como fator de mobilização em torno da defesa do que é próprio e do que é comum.

A memória das guerras e em especial da Segunda Guerra Mundial ou a destruição de Palmira obriga-nos a pensar que uma cultura de paz europeia só poderá ser duradoura se à dimensão económica e monetária soubermos aliar a expressão cultural e política, com a qual poderemos tecer a coesão, a justiça distributiva, a equidade intergeracional e o primado da aprendizagem. Longe das boas intenções que enchem o inferno, precisamos de cuidado e atenção para o que somos, de onde vimos e para onde vamos.

A Cultura assume uma importância decisiva, já que a sustentabilidade não pode resumir-se nem à mera gestão dos recursos materiais, nem aos temas ambientais. Importa considerar o valor da memória, da aprendizagem e da capacidade criadora. Ao falar de Cultura, ainda estamos a ligar a fidelidade à memória, o respeito pela herança recebida das gerações passadas à Educação e à Ciência. O debate europeu atravessa um momento especialmente difícil e incerto. Como ligar a política e a economia, assegurando um papel ativo da União Europeia no equilíbrio e regulação da cena internacional? Como garantir o desenvolvimento sustentável, baseado no conhecimento, na aprendizagem, na inovação, na coesão e na qualidade de vida?

Não se tratou apenas de um gesto de boas intenções – mas estava em causa a demonstração da importância das raízes históricas e culturais; da necessidade de proteger e salvaguardar o património comum; da importância transversal e estratégica das políticas públicas ligadas à Educação, à Formação e à Ciência, bem como do entendimento de que só a proteção do património cultural, no contexto de uma identidade aberta e plural, e a sua ligação à qualidade da criação contemporânea podem corresponder a uma visão integrada do desenvolvimento, capaz de preservar uma cultura de paz.

Sabemos que não é verdade que Jean Monnet tenha dito alguma vez que se tivesse de recomeçar a construção europeia teria escolhido a cultura. De facto, uma lógica de solidariedade funcional exige a diversidade cultural – que, na fórmula de Jacques Delors, se deve associar às causas da paz e da segurança e do desenvolvimento sustentável. Os pais fundadores da Europa moderna consideraram a cultura como denominador comum de valores, como fonte da liberdade, da igualdade e da solidariedade e como pressuposto do respeito mútuo e da dignidade humana.

A política, a economia e a cultura articulam-se, assim, na defesa do bem comum – ou seja, na procura de interesses vitais comuns que contribuam para a paz e o desenvolvimento. Daí que a sustentabilidade deva ser considerada através do cuidado com a história e com a equidade entre gerações – preservando o património cultural e protegendo a natureza do irreversível esgotamento dos recursos…

Os desafios que o património cultural enfrenta e que têm impacto na sociedade contemporânea envolvem desde a transição para a era digital até à questão ambiental e demográfica, sem esquecer a prevenção e o combate do tráfico ilícito de bens culturais. Fundamentalmente, tratamos de conhecimentos, de cultura e de humanidade… Ter memória é respeitarmo-nos, é estudar a História e conhecer as raízes. Cuidar do que recebemos é dar atenção, é não deixar ao abandono, é conhecer, estudar, investigar, proteger e conservar. Mas trata-se ainda de promover a diversidade cultural, o diálogo entre culturas e a coesão social, de realçar o contributo económico do património cultural para os setores criativos e para o desenvolvimento.

Internacionalmente, tem-se discutido o conceito de Museu. O debate prossegue, verificando-se uma tensão entre a visão puramente instrumental dos museus que os assimila a instituições de natureza social ou participativa e a outra perspetiva, que procura preservar o que distingue os museus na sua diversidade e complexidade, tornando-os únicos. Do que se trata é de haver necessidade de evitar simplificações ou anacronismos. O património como realidade viva tem de ser visto à luz do tempo atual, compreendendo a relação entre memória e vida. A historiografia não visa um julgamento moral do que ocorreu no passado. Importa, sim, conhecer o tempo que nos precedeu, usar a memória como fator de compreensão da humanidade, de modo que a capacidade criadora das pessoas seja um fator de emancipação.

Eis por que importa compreender que o sentido crítico tem de estar presente, não para encontrar bodes expiatórios para os erros da humanidade, mas para entendermos o carácter imperfeito do género humano e a sua necessária perfectibilidade.

O que deve estar em causa é a procura de caminhos explicativos, de linhas de reflexão, de sínteses e de paradoxos, em resposta ao enigma persistente e contraditório de uma sociedade que oscila entre o messianismo e a vontade, entre o mito e a racionalidade, entre a crítica e a sobrevivência, entre o presente e o futuro. E no domínio do património cultural, importa refletir sobre os bens culturais ilegitimamente apropriados e sobre as consequências de situações pretéritas de domínio de uns povos sobre outros.

É do tempo presente que falamos e da memória nos dias de hoje, enquanto projeção do passado e responsabilidade – devendo haver um cuidado especial na regulação justa da posse dos bens ilegitimamente apropriados, no desenvolvimento de um verdadeiro conceito de património comum (como defende a Convenção de Faro do Conselho da Europa, na sequência dos principais instrumentos internacionais neste domínio) e na defesa e salvaguarda efetiva do património da humanidade, numa autêntica partilha de responsabilidades e segundo uma “cultura de paz”, que Federico Mayor tornou na UNESCO marca fundamental de um conceito moderno e civilizado de património cultural.

Em suma, o património cultural não é um conceito fechado ou estático, é uma realidade viva. Ter memória é respeitarmo-nos, é estudar criticamente a História e conhecer as raízes. Cuidar do que recebemos é dar atenção, é não deixar ao abandono, é conhecer, estudar, investigar, proteger e conservar. Como compreenderemos uma civilização sem o estudo e o diálogo entre a tradição e o progresso, sem o entendimento das suas raízes culturais e religiosas? Só o cuidado do património cultural permite assumirmos uma cidadania civilizada.

 

Guilherme d’Oliveira Martins assina este texto na qualidade de autor do ensaio “Património cultural – Realidade viva”, publicado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Recomendadas

Sócrates: chegou a hora de o PS fazer a sua autocrítica

O país merece esse gesto de humildade por parte do PS, tal como muitos dos seus próprios militantes e apoiantes que hoje se sentem defraudados por uma pessoa em quem confiaram.

Uma nação indignada

O que revolta mais neste processo, por ser sistémico, é saber que até há pouco tempo muitos dos arguidos usaram o imenso poder que tinham de forma desastrosa, causando danos ao país, às empresas e aos contribuintes.

Ainda somos sujeitos?

Os ‘big data’ só se alimentam do passado. O resultado é algoritmos que são tão filhos da Inteligência Artificial como da segregação. Por exemplo, softwares de reconhecimento facial que imputam rótulos de sociabilidade, marginalidade com base na cor da pele, na etnia, no género.
Comentários