Paulo Macedo diz que fecha venda do banco em Cabo Verde em breve e adia ‘sine die’ venda no Brasil

Esta venda da participação social no Banco Comercial do Atlântico estava prevista no plano estratégico da CGD para 2017-2020 negociado com a DGComp de Bruxelas. Já o banco do Brasil não vai ser vendido dentro do prazo estabelecido no acordo com a Comissão Europeia.

A venda da participação da Caixa Geral de Depósitos (CGD) no cabo-verdiano Banco Comercial do Atlântico (BCA), definida pelo Governo em setembro de 2019, “será concluída a breve trecho”, disse o CEO da Caixa, Paulo Macedo, na apresentação de resultados do semestre em que o banco viu o lucro cair 41% para 249 milhões de euros.

Esta venda da participação social no Banco Comercial do Atlântico estava prevista no plano estratégico da CGD para 2017-2020 negociado com a DGComp de Bruxelas, e não significa a saída do capital do banco de Cabo Verde, já que vai manter a sua presença através do Interatlântico, no qual detém uma participação de 71%.

Através do Banco Interatlântico, que detém igualmente em Cabo Verde, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) controla 52,65% do BCA, ao que se soma uma participação própria de 6,76%. O Instituto Nacional da Previdência Social de Cabo Verde detém uma participação de 12,54% no BCA.

“A alienação do Banco Comercial do Atlântico não prejudica a estratégia da presença internacional da CGD em Cabo Verde, que continuará a ser assegurada através do Banco Interatlântico, que tem origem na transformação da anterior sucursal da CGD em Cabo Verde num banco de direito local”, afirmou na altura o Governo no diploma.

O Banco Comercial do Atlântico é o maior de Cabo Verde teve lucros de 10,6 milhões de euros em 2019.

Desde 2019 que a CGD tem em curso o processo de venda da participação no BCA, optando por ficar no mercado cabo-verdiano apenas com o Banco Interatlântico. Esta venda da participação social no BCA, que no total ultrapassa um peso de 59%, será realizada dentro do horizonte temporal do plano estratégico, ao contrário do  Banco Caixa Geral – Brasil, que só vai acontecer “quando estiverem reunidas as condições de mercado”.

Paulo Macedo disse que já avisou a DG Comp que não iria cumprir o compromisso de vender o banco no Brasil até ao fim do plano estratégico.

Ler mais
Relacionadas

Banco da Caixa Geral de Depósitos em Cabo Verde com lucros recorde de 10,6 milhões de euros em 2019

O Banco Comercial do Atlântico (BCA), o maior de Cabo Verde e que a Caixa Geral de Depósitos pretende vender, teve lucros de 10,6 milhões de euros em 2019, o melhor registo de sempre da instituição.
Recomendadas

Linha de apoio a micro e pequenas empresas disponível a partir desta quarta-feira

Para se poderem candidatar, as empresas terão de apresentar uma quebra abrupta e acentuada de pelo menos 40% da sua faturação, e não poderão ter beneficiado das anteriores linhas de crédito com garantia mútua. A SPGM avisa que as empresas em dificuldades não podem ter sede em países ou regiões com regime fiscal mais favorável (‘offshore’)”.

Crédit Agricole convidado para colocar as mais recentes emissões sindicadas de obrigações do tesouro

O Crédit Agrícole emitiu um comunicado onde faz o balanço do seu papel na economia portuguesa, onde está presente através da GNB Seguros com 75%; da Eurofactor e do Banco Credibom. Para além de ter ajudado a colocar dívida do Estado português.

Aumento da margem financeira, dos depósitos e número de contas impulsiona rendimentos do Banco CTT

Apesar do atual estado da economia e dos efeitos da pandemia, o Banco CTT registou um crescimento de 63%, para 38,4 milhões de euros, nos rendimentos do primeiro semestre de 2020. O banco registou 2,9 mil pedidos de moratórias, expondo um total de 66,6 milhões de euros, o que representa “cerca de 7% do total da carteira bruta de crédito” da instituição bancária.
Comentários