PCP diz que problemas estruturais persistem mas estancaram-se “graves chagas sociais”

João Oliveira defendeu, na reunião da Comissão Permanente, que só uma correlação de forças que garanta uma política patriótica e de esquerda pode continuar os avanços conseguidos e que uma maioria do PS será um passo atrás.

O líder parlamentar do PCP, João Oliveira, afirmou esta quarta-feira, em jeito de balanço da legislatura, que os problemas estruturais persistem mas estancaram-se “graves chagas sociais”. João Oliveira defendeu que só uma correlação de forças que garanta uma política patriótica e de esquerda pode continuar os avanços conseguidos e que uma maioria do PS será um passo atrás.

“Os últimos quatro anos comprovaram que a valorização dos direitos dos trabalhadores e do povo é a chave para o nosso desenvolvimento e progresso”, começou por dizer João Oliveira, na reunião da Comissão Permanente, que substitui o plenário durante as férias e encerra a legislatura.

João Oliveira disse que todas as conquistas alcançadas nos direitos dos trabalhadores e do povo, “das maiores às mais pequenas”, constituíram “importantes elementos de maior justiça social e revelaram-se mola impulsionadora da melhoria das condições de vida, de crescimento económico, de criação de emprego, do reforço da Segurança Social” e garantiu que o PCP se orgulha de cada uma delas.

“O PCP orgulha-se do papel decisivo que assumiu em todas elas e da luta que travou para que se fosse mais longe. O país não tem os seus problemas estruturais resolvidos, mas estancou algumas das suas mais graves chagas sociais. A recuperação de rendimentos permitiu também a recuperação da esperança no futuro”, concretizou o líder parlamentar do partido.

O deputado comunista advertiu, no entanto, que há partidos que, “à primeira oportunidade” que tiverem vão “retomar política de empobrecimento e exploração com que durante anos se infernizou a vida dos portugueses”. “A ideia de uma maioria absoluta do PS encaixa nesses plano e projetos e há que dar-lhe combate. Esta nas mãos dos portugueses impedir a maioria absoluta”, defendeu.

Relacionadas

Parlamento condena criação do museu Salazar com abstenção do PSD e CDS

O parlamento condenou hoje a criação de um museu dedicado a Salazar em Santa Comba Dão, terra natal do ditador, Viseu, aprovando um voto do PCP por considerar ser uma “afronta à democracia”.

PEV reivindica “papel determinante” nos avanços que foram feitos durante esta legislatura

Na reunião da Comissão Permanente, que substitui o plenário durante as férias e encerra a legislatura, Heloísa Apolónia afirmou que a atual solução política veio mostrar que a inevitabilidade é “uma mentira” e alertou que uma maioria do PS nas legislativas de outubro não hesitará em recuar nos “avanços” conseguidos.
Recomendadas

Secretário de Estado não validou bilhete no metro de Lisboa? Polémica invade redes sociais

Miguel Cabrita, secretário de Estado do Emprego, saiu da estação de metro encostado a António Costa e as reações nas redes sociais não se fizeram esperar. Mas observando o vídeo com atenção, é possível perceber que o governante tem um bilhete na mão e que o valida.
Francisco Ferreira

Polémicas já provocaram a demissão de 15 membros do Governo de António Costa

José Artur Neves apresentou a demissão no mesmo dia em que a PJ realizou buscas no ministério da Administração Interna, Proteção Civil e a empresa fornecedora por suspeitas relacionadas com a compra das golas antifumo. A primeira demissão teve lugar cinco meses depois do Governo tomar posse, quando ministro da Cultura prometeu “salutares bofetadas” a crítico.

Secretário de Estado da Proteção Civil demite-se

Artur Neves pediu a exoneração do cargo do Secretário de Estado da Proteção Civil, após as buscas no âmbito do inquérito que investiga a polémica com as golas antifumo.
Comentários