PCP diz que problemas estruturais persistem mas estancaram-se “graves chagas sociais”

João Oliveira defendeu, na reunião da Comissão Permanente, que só uma correlação de forças que garanta uma política patriótica e de esquerda pode continuar os avanços conseguidos e que uma maioria do PS será um passo atrás.

O líder parlamentar do PCP, João Oliveira, afirmou esta quarta-feira, em jeito de balanço da legislatura, que os problemas estruturais persistem mas estancaram-se “graves chagas sociais”. João Oliveira defendeu que só uma correlação de forças que garanta uma política patriótica e de esquerda pode continuar os avanços conseguidos e que uma maioria do PS será um passo atrás.

“Os últimos quatro anos comprovaram que a valorização dos direitos dos trabalhadores e do povo é a chave para o nosso desenvolvimento e progresso”, começou por dizer João Oliveira, na reunião da Comissão Permanente, que substitui o plenário durante as férias e encerra a legislatura.

João Oliveira disse que todas as conquistas alcançadas nos direitos dos trabalhadores e do povo, “das maiores às mais pequenas”, constituíram “importantes elementos de maior justiça social e revelaram-se mola impulsionadora da melhoria das condições de vida, de crescimento económico, de criação de emprego, do reforço da Segurança Social” e garantiu que o PCP se orgulha de cada uma delas.

“O PCP orgulha-se do papel decisivo que assumiu em todas elas e da luta que travou para que se fosse mais longe. O país não tem os seus problemas estruturais resolvidos, mas estancou algumas das suas mais graves chagas sociais. A recuperação de rendimentos permitiu também a recuperação da esperança no futuro”, concretizou o líder parlamentar do partido.

O deputado comunista advertiu, no entanto, que há partidos que, “à primeira oportunidade” que tiverem vão “retomar política de empobrecimento e exploração com que durante anos se infernizou a vida dos portugueses”. “A ideia de uma maioria absoluta do PS encaixa nesses plano e projetos e há que dar-lhe combate. Esta nas mãos dos portugueses impedir a maioria absoluta”, defendeu.

Relacionadas

Parlamento condena criação do museu Salazar com abstenção do PSD e CDS

O parlamento condenou hoje a criação de um museu dedicado a Salazar em Santa Comba Dão, terra natal do ditador, Viseu, aprovando um voto do PCP por considerar ser uma “afronta à democracia”.

PEV reivindica “papel determinante” nos avanços que foram feitos durante esta legislatura

Na reunião da Comissão Permanente, que substitui o plenário durante as férias e encerra a legislatura, Heloísa Apolónia afirmou que a atual solução política veio mostrar que a inevitabilidade é “uma mentira” e alertou que uma maioria do PS nas legislativas de outubro não hesitará em recuar nos “avanços” conseguidos.
Recomendadas

Marginal parcialmente fechada ao trânsito entre São Pedro e Parede por razões de segurança

“A segurança das pessoas e bens é primordial e é prioritária. Um incómodo hoje pode evitar uma tragédia amanhã”, argumenta a autarquia de Cascais.

Governo suspende 18 obras na ferrovia no norte e centro

A modernização da Linha do Oeste, entre Mira Sintra-Meleças e Caldas da Rainha, só deve arrancar no fim de 2020, sendo esta a data em que as obras deveriam estar concluídas e a ligação estabelecida e em funcionamento.

Angola: Orçamento Geral do Estado vai hoje a votos

A proposta final global prevê mais receitas e despesas para 2020. Dos 15,9 biliões de kwanzas (29,3 mil milhões de euros) consagrados, cerca de metade. é para pagar a dívida pública que é neste mo momento e 90% do Produto Interno Bruto angolano.
Comentários