PremiumPCP quer mais 45 milhões de euros de impostos sobre imóveis e empresas

Comunistas reclamam aumento da derrama estadual, imposto que recai sobre grandes empresas, e um novo escalão no adicional ao IMI. Querem ainda englobar no IRS rendimentos acima dos 100 mil euros.

O PCP está a negociar com o Governo um novo escalão no adicional ao IMI para taxar imóveis de valor superior a um milhão e meio de euros, aplicando uma taxa entre 1,5% e 2%. Esta subida da carga fiscal sobre património imobiliário representa um aumento de receita fiscal para o próximo ano de 20 milhões de euros, a que se somam mais cerca de 25 milhões de receita adicional da criação de um escalão intermédio para a derrama estadual entre os 20 e 35 milhões de euros com uma taxa de imposto de 7%. Ambas as medidas estão a ser negociadas com o Executivo de António Costa.

“A ideia passa por taxar os imóveis com valor superior a um milhão e meio de euros. A taxa pode situar-se entre 1,5% e 2%. Com uma taxa de 2%, esta medida terá um impacto na receita fiscal na ordem dos 20 milhões de euros”, avançou ao Jornal Económico Paulo Sá, deputado do PCP, salientando que o objectivo da medida  é “melhorar a progressividade do adicional ao IMI”.

Com o acréscimo de receita estimado em 20 milhões de euros, a receita do AIMI em 2019 ascenderia a 150 milhões de euros, face aos 130 milhões previstos no Orçamento do Estado para 2018. Em cima da mesa está ainda a proposta comunista de aumento da derrama estadual, traduzida num acréscimo de imposto aplicado à parte do lucro das empresas que exceda determinados limites previstos na lei.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Crise dos combustíveis deverá levar a subida de preços dos serviços até 15% em Portugal

O ajustamento em alta acumula-se ao aumento dos preços na ordem dos 5%, atribuído à retoma económica e ao crescimento da procura no período de desconfinamento em Portugal.

OE2022. UTAO alerta para riscos associados à pandemia e regras de Bruxelas

A unidade técnica lembra que as regras orçamentais de Bruxelas foram suspensas na sequência da pandemia, mas um levantamento desta suspensão pode significar que a “consolidação que não se faça nas condições menos exigentes de 2022 terá que ser feita com menos graus de liberdade em 2023 e anos seguintes”.

Financiamento das administrações públicas recua em agosto para 6,2 mil milhões de euros

Este valor em agosto resulta do financiamento em 11,7 mil milhões junto dos bancos residentes, que é compensado pelas rubricas relativas à relação com o restante sector financeiro e com o exterior, em que as administrações públicas nacionais são financiadoras em 3,4 e 2,1 mil milhões de euros, respetivamente.
Comentários