PCP vai abster-se na votação final global do OE2021

Depois de ter contribuído para a viabilização no OE2021 na generalidade, através da abstenção, o PCP faz uma avaliação positiva das negociações na especialidade e do “conjunto alargado de propostas” comunistas que foram inscritas no texto final.

Manuel de Almeida/LUSA

O Partido Comunista Português (PCP) vai abster-se na votação final global do Orçamento do Estado para 2021 (2021), marcada para esta quinta-feira, dia 26. Depois de ter contribuído para a viabilização no OE2021 na generalidade, através da abstenção, o PCP faz uma avaliação positiva das negociações na especialidade e do “conjunto alargado de propostas” comunistas que foram inscritas no texto final.

“O PCP abster-se-á na votação final global, garantindo que importantes propostas e soluções com as quais se comprometeu e que possam ter tradução na vida dos trabalhadores e do povo”, disse o líder parlamentar do PCP, João Oliveira, em conferência de imprensa, no Parlamento.

Segundo o líder parlamentar comunista, esta abstenção “marca um distanciamento face a opções e critérios que o Governo assume, num orçamento que é da sua responsabilidade, mas que, ao mesmo tempo não se confunde com aqueles que tudo apostam na degradação da situação nacional para retomar projetos de agravamento da exploração e empobrecimento que a luta dos trabalhadores e do povo português derrotou”.

João Oliveira assinalou que, por intervenção do PCP, foram inscritas no OE2021 medidas como a garantia do pagamento de salários por inteiro a todos os trabalhadores, o aumento de 10 euros nas reformas e pensões a partir de janeiro, o prolongamento do subsídio de desemprego, o alargamento do complemento de insalubridade e penosidade e “um conjunto significativo” de medidas de reforço do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O líder parlamentar do PCP sublinhou ainda que as propostas acolhidas não substituem “as muitas outras que foram rejeitadas, mas que a realidade continua a confirmar como necessárias”. “Não faltaram propostas do PCP com soluções para os problemas nacionais. O que faltou foi falta de vontade política do PS para as acolher em toda a sua extensão”, atirou, alertando o Governo para a necessidade de tomar medidas para lá do OE2021.

“Insistimos que a resposta global à grave situação económica e social que o país atravessa exige medidas a partir do orçamento, mas também para lá dele. Medidas com as quais o Governo se comprometeu e é preciso concretizar, como o aumento do salário mínimo nacional além daquilo que já tinha admitido e a alteração da legislação laboral relativamente às suas normas gravosas”, acrescentou.

Ler mais
Relacionadas

Bloco vai manter o voto contra no Orçamento do Estado

Mesa Nacional do Bloco de Esquerda reúne esta noite para validar sentido de voto do partido para amanhã. Ainda com as votações na especialidade a decorrer, a Comissão Política do Bloco de Esquerda propõe o voto contra a proposta final global.
Recomendadas
Marta Temido em entrevista à RTP

Fecho imediato de todas as escolas vai ser discutido em Conselho de Ministros nesta quinta-feira

Ministra da Saúde admite que é possível chegar a 20 mil mortes causadas pela pandemia até março. Variante britânica do coronavírus SARS-CoV-2 representa 20% dos casos de infeção e poderá chegar aos 60%.

Marcelo cai cinco pontos mas garante reeleição no domingo em sondagem da Universidade Católica

Atual Presidente da República lidera com 63% nas intenções de voto, a enorme distância dos outros candidatos. Ana Gomes tem quatro pontos de vantagem para André Ventura e Marisa Matias para 3% e empata com Tiago Mayan Gonçalves.
Marcelo Rebelo de Sousa

Abstenção de 70% pode levar a segunda volta nas presidenciais, alerta Marcelo

O Presidente da República, que falava durante um encontro com alunos na Escola Secundária Pedro Nunes, em Lisboa, justificou no final aos jornalistas a decisão de continuar com ações de campanha, apesar da gravidade da evolução da covid-19 em Portugal, com o argumento de que “a democracia não se deve suspender”.
Comentários