“Pedi a John a sua demissão”. Trump demite Conselheiro para a Segurança Nacional

O 45º presidente dos Estados Unidos demite assim mais um membro da sua administração. Trump assumiu ainda que durante a próxima semana vai revelar o nome de quem vai substituir o lugar de John Bolton.

Donald Trump anunciou esta terça-feira, 10 de setembro, o despedimento de John Bolton, agora ex-Conselheiro para a Segurança Nacional, com quem trabalhava diretamente na Casa Branca.

Em duas publicações diferentes, devido ao número de caracteres, Donald Trump afirma que informou “John Bolton ontem à noite, que os seus serviços já não seriam necessários na Casa Branca. Discordo fortemente com muitas das suas sugestões, tal como outros membros da administração”, sustentou o presidente dos Estados Unidos.

“Desta forma, pedi ao John a sua demissão, a qual ele me entregou esta manhã. Agradeço ao John os seus serviços”, admite Donald Trump.

O 45º presidente dos Estados Unidos demite assim mais um membro da sua administração. Trump assumiu ainda que durante a próxima semana vai revelar o nome de quem vai substituir John Bolton.

No entanto, John Bolton visou Donald Trump também no Twitter, afirmando que se ofereceu para “apresentar a demissão ontem à noite e que o presidente Trump assegurou que falávamos no dia seguinte” [hoje], quando chegam as notícias da demissão do conselheiro.

John Bolton foi embaixador dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas, quando George W. Bush se encontrava no cargo. Bolton ocupava o cargo de conselheiro para a Segurança Nacional desde abril de 2018, ocupando o lugar do militar H. R. McMaster.

O afastamento do conselheiro para a Segurança Nacional surge quando a administração de Trump pretende cancelar o plano de paz, que incluía convidar os líderes talibãs e o presidente do Afeganistão para uma visita aos Estados Unidos. Segundo a imprensa norte-americana, John Bolton e Mike Pence, vice-presidente, colocaram-se contra um encontro político entre Trump e os talibãs em Camp David.

Este encontro tinha como objetivo fortalecer o acordo de paz com o Afeganistão, cerca de 18 anos depois da recusa dos talibãs em entregar bin Laden, após os atentados do 11 de setembro. A demissão de John Bolton surge a um dia do 18º aniversário dos atentados às Torres Gémeas em Nova Iorque.

Ler mais
Recomendadas

Bielorrússia. Novo dia de protestos depois das eleições resulta em dezenas de detenções

As forças policiais, que isolaram a praça da Independência, numa zona central de Minsk, procedeu à detenção quer de manifestantes que estavam a pé, quer aqueles que se deslocavam de bicicleta, segundo noticiam meios de comunicação locais.

Bielorrúsia. Amnistia Internacional pede investigação a violência sobre manifestantes pacíficos

A Amnistia Internacional veio denunciar a constante violência pós eleitoral por parte da polícia na Bielorrússia, argumentando que “todas as formas de dissidência pacífica são brutalmente reprimidas”. A ONG vem assim pedir a libertação imediata de manifestantes pacíficos e ativistas políticos.

Da Uber à Airbnb: Onda de solidariedade global a caminho do Líbano

Para além das instituições que prestam auxílio em regiões afetadas por calamidades, um sem-número de empresas privadas e de doações pessoais estão a caminho de Beirute, na tentativa de minimizarem o impacto das explosões de semana passada.
Comentários