Pedro Nuno Santos: Alverca e Beja não são alternativas ao aeroporto no Montijo

Sobre as obras em curso no aeroporto Humberto Delgado, Pedro Nuno Santos admite a realização de uma avaliação de impacto ambiental, como exigem Fernando Medina e o grupo parlamentar do PCP.

Cristina Bernardo

Construir o novo aeroporto complementar da região de Lisboa em Alverca ou em Beja não constitui uma alternativa viável ao aeroporto do Montijo, defendeu hoje Pedro Nuno Santos na audição parlamentar sobre o  OE 2020 que está a decorrer hoje, dia 13 de janeiro, no âmbito da comissão de Economia e Obras Públicas.

“A faixa de aproximação ao aeroporto de Alverca conflitua com a de aproximação ao aeroporto Humberto Delgado, porque é a mesma. Só há uma alternativa em Alverca: só se a pista fosse construída no estuário do Tejo. O aeroporto de Beja, mesmo com alta velocidade [ferroviária], fica muito longe de Lisboa”, resumiu Pedro Nuno Santos.

Segundo o ministro, “Beja e Alverca não são alternativas [ao aeroporto no Montijo], estão mais que estudadas”.

“Queremos avançar, porque não queremos que o país perca mais tempo, mais receitas e maus turistas”, garantiu Pedro Nuno Santos.

Sobre a decisão favorável da APA – Agência Portuguesa do ambiente ao EIA – Estudo de Impacto Ambiental apresentado para o projeto de aeroporto no Montijo pela concessionária ANA, detida pelo grupo francês Vinci, o ministro considerou que “é bom que seja respeitada”.

“O aeroporto [no Montijo] vai ser uma realidade. Está-se a descurar o impacto positivo que o aeroporto terá para a espécie humana, em criação de emprego e no crescimento da economia, com particular impacto na margem sul. Temos uma APA que tomou uma decisão. se tivesse sido contrária [ao aeroporto no Montijo] ficava triste, consideraria que era mau para o país, mas respeitaria. Os técnicos da AP não são comissários de nenhum partido, do Governo. Temos de respeitar as suas decisões, não só quando gostamos dessas decisões”, salientou o ministro das Infraestruturas.

Governo apoia avaliação de impacto ambiental sobre obras na Portela

Sobre as obras em curso no aeroporto Humberto Delgado, Pedro Nuno Santos considerou que a infraestrutura em causa “tem condições únicas para ser um verdadeiro ‘hub’, para ter mais receitas, mais rendimento para ficar no país”.

“Estamos a modernizar o aeroporto Humberto Delgado, não para aumentar de forma extraordinária a sua capacidade, mas para o tornar um ‘hub’ mais eficiente, sem atrasos, para ser mais competitivo em relação a Madrid, por exemplo”, defendeu o ministro das Infraestruturas.

Pedro Nuno Santos explicou ainda que as obras em curso vão permitir que os aviões aterrem na Portela mais à frente na pista e descolem mais cedo da pista, o que vai permitir “reduzir o ruído na aterragem e descolagem dos aviões” e também “reduzir, ou talvez mesmo eliminar os voos noturnos”, que até ao começo das obras em causa ascendiam a 92 voos semanais em termos legais.

O ministro das Infraestruturas garantiu também que “não excluímos as exigências do presidente da Câmara Municipal de Lisboa e do PCP de fazer uma avaliação de impacte ambiental ás obras de expansão do aeroporto Humberto Delgado”.

 

 

Ler mais

Relacionadas

Novo aeroporto “é determinante e crítico” para o país, salienta Pedro Nuno Santos

“Para um país periférico como Portugal o investimento aeroportuário, o novo aeroporto na região de Lisboa, é determinante, é crítico para que o nosso povo possa viver melhor”, afirmou o ministro numa audição conjunta nas comissões parlamentares de Orçamento e Finanças e de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, no âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).
Recomendadas

AICEP apresenta Acelerador das Exportações Online

A AICEP vai concentrar todo o seu trabalho de junho no objetivo fixado pelo Governo de promover as exportações. Na próxima terça-feira, o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, vai acompanhar a apresentação da nova ferramenta de Inteligência Artificial que é colocada ao serviço dos exportadores nacionais, o “Acelerador das Exportações Online”.

Bancos têm até hoje para enviar ao regulador planos de prevenção do branqueamento de capitais

Os bancos têm até hoje para enviarem ao Banco de Portugal os planos de financiamento e os relatórios de prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, depois dos prolongamentos dos prazos devido à covid-19. Numa situação normal, estes relatórios já deveriam ter sido enviados pelos bancos, mas o regulador e supervisor bancário anunciou a prorrogação dos prazos em abril, considerando que é de “particular importância” a qualidade da informação financeira e prudencial no atual contexto económico. O Banco de Portugal prolongou ainda, para 12 de junho, o reporte de informação financeira em base individual e o reporte de informação para fins de supervisão aplicável às sociedades financeiras, assim como a informação sobre empresas incluídas no perímetro de consolidação e sobre a evolução da carteira de crédito.

Proprietários tem até hoje para pagar primeira fase ou a totalidade do IMI

Os quase quatro milhões de contribuintes que receberam uma nota de liquidação do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) têm até hoje para efetuar o pagamento da primeira prestação ou da totalidade do imposto.
Comentários