Pedro Pardal Henriques deixa de ser porta-voz dos motoristas para entrar na política

“Candidato-me porque acredito que podemos voltar a recuperar os valores de Abril”, refere o advogado, que recusa estar a autopromover-se e garante que continuará a representar juridicamente o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas.

pardal_henriques_sindicato_nacional_dos_motoristas
Mário Cruz/Lusa

O advogado Pedro Pardal Henriques vai ser candidato pelo partido de António Marinho Pinto às eleições legislativas e deixará de ser porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) “por forma a não misturar o que poderia ser interpretado como campanha eleitoral”.

Em comunicado divulgado esta quarta-feira, Pedro Pardal Henriques recusa que se esteja a “autopromover” e explica que, ainda assim, continuará “a representar juridicamente este sindicato, assim como o Sindicato dos Seguranças e Vigilantes de Portugal, o Sindicato Independente dos Trabalhadores da Rodoviária de Lisboa”, bem como os outros que aceitou defender.

O novo cabeça de lista pelo círculo de Lisboa do Partido Democrático Republicano (PDR) refere que tomou a decisão depois de “ponderar bastante” e de “conferenciar com a família. “Fi-lo consciente de que pretendo ser uma voz ativa por todas as causas que tenho vindo a defender, e que considero que hoje não estão representadas no Parlamento”, assegura, numa nota enviada esta tarde às redações. “Candidato-me porque acredito que podemos voltar a recuperar os valores de Abril”, conclui.

A confirmação da candidatura do advogado foi feita pelo líder do PDR, em declarações à “RTP 3”. “Estamos muito orgulhosos por termos no combate eleitoral o homem que foi a cara de um combate sindical extremamente importante porque fugiu ao controlo que os aparelhos partidários têm sobre o sindicalismo em Portugal”, disse o antigo eurodeputado à chegada ao tribunal da comarca do Porto para entregar a lista de candidatos pelo PDR. “Um sindicalismo controlado por comissários políticos dos partidos é um sindicalismo castrado, que não representa os interesses dos trabalhadores. Pardal Henriques rompeu com isso”, destacou.

Está, assim, desfeito o tabu em redor da candidatura do advogado que tem sido a cara dos motoristas de matérias perigosas no seu conflito laboral contra os patrões do setor. A candidatura pelo PDR do porta-voz dos motoristas foi feita há duas semanas pelo “Diário de Notícias” e, desde então, tanto Marinho Pinto como Pardal Henriques têm recusado confirmá-la.

Recomendadas

CNE alerta que é proibido propaganda na véspera e dia de eleições

A comissão avisa que “entende-se por ‘propaganda eleitoral’ toda a atividade que vise direta ou indiretamente promover candidaturas, seja dos candidatos, dos partidos políticos, dos titulares dos seus órgãos ou seus agentes, das coligações, dos grupos de cidadãos proponentes ou de quaisquer outras pessoas, nomeadamente a publicação de textos ou imagens que exprimam ou reproduzam o conteúdo dessa atividade”.

“Lisboa estava em sentada em tanto dinheiro de impostos que nem sabia o que lhe fazer”, realça candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considera que é importante estancar o aumento de trabalhadores na Câmara Municipal de Lisboa e diminuir os “10 a 12 milhões em avenças e os 13 milhões em horas extraordinárias”.

Portugal concede terceira moratória a Cabo Verde para o pagamento da dívida

O anúncio foi feito esta pelo Governo que aprovou uma nova suspensão do pagamento do serviço da dívida por parte da República de Cabo Verde, relativa aos empréstimos diretos concedidos.
Comentários