Pedro Pardal Henriques deixa de ser porta-voz dos motoristas para entrar na política

“Candidato-me porque acredito que podemos voltar a recuperar os valores de Abril”, refere o advogado, que recusa estar a autopromover-se e garante que continuará a representar juridicamente o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas.

pardal_henriques_sindicato_nacional_dos_motoristas
Mário Cruz/Lusa

O advogado Pedro Pardal Henriques vai ser candidato pelo partido de António Marinho Pinto às eleições legislativas e deixará de ser porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) “por forma a não misturar o que poderia ser interpretado como campanha eleitoral”.

Em comunicado divulgado esta quarta-feira, Pedro Pardal Henriques recusa que se esteja a “autopromover” e explica que, ainda assim, continuará “a representar juridicamente este sindicato, assim como o Sindicato dos Seguranças e Vigilantes de Portugal, o Sindicato Independente dos Trabalhadores da Rodoviária de Lisboa”, bem como os outros que aceitou defender.

O novo cabeça de lista pelo círculo de Lisboa do Partido Democrático Republicano (PDR) refere que tomou a decisão depois de “ponderar bastante” e de “conferenciar com a família. “Fi-lo consciente de que pretendo ser uma voz ativa por todas as causas que tenho vindo a defender, e que considero que hoje não estão representadas no Parlamento”, assegura, numa nota enviada esta tarde às redações. “Candidato-me porque acredito que podemos voltar a recuperar os valores de Abril”, conclui.

A confirmação da candidatura do advogado foi feita pelo líder do PDR, em declarações à “RTP 3”. “Estamos muito orgulhosos por termos no combate eleitoral o homem que foi a cara de um combate sindical extremamente importante porque fugiu ao controlo que os aparelhos partidários têm sobre o sindicalismo em Portugal”, disse o antigo eurodeputado à chegada ao tribunal da comarca do Porto para entregar a lista de candidatos pelo PDR. “Um sindicalismo controlado por comissários políticos dos partidos é um sindicalismo castrado, que não representa os interesses dos trabalhadores. Pardal Henriques rompeu com isso”, destacou.

Está, assim, desfeito o tabu em redor da candidatura do advogado que tem sido a cara dos motoristas de matérias perigosas no seu conflito laboral contra os patrões do setor. A candidatura pelo PDR do porta-voz dos motoristas foi feita há duas semanas pelo “Diário de Notícias” e, desde então, tanto Marinho Pinto como Pardal Henriques têm recusado confirmá-la.

Recomendadas
catarina_martins_bloco_esquerda_legislativas_1

BE quer subsídio de alimentação da Função Pública como referência para o setor privado

A medida consta de um projeto de lei apresentado pelos bloquistas, que visa que o subsídio diário de alimentação dos trabalhadores do setor privado não seja inferior ao que definido para os trabalhadores da Administração Pública.

PSD junta-se à esquerda para limitar cobrança de comissões bancárias

A medida consta de um projeto de lei entregue pelos social-democratas na Assembleia da República, que prevê que os primeiros cinco movimentos mensais feitos através da MB Way bem como a emissão do distrate no final do contrato de crédito sejam gratuitos.

Sondagem mostra que candidatura de Ana Gomes poderia ‘roubar’ recorde a Marcelo

Segundo a sondagem da Intercampus, Marcelo Rebelo de Sousa cai dez pontos percentuais face ao mês passado, com uma eventual entrada da ex-eurodeputada Ana Gomes na corrida a Belém. Ainda assim, o atual chefe de Estado conseguiria apoio de mais eleitores, já que em 2016 teve 52% dos votos.
Comentários