Pedro Pardal Henriques deixa de ser porta-voz dos motoristas para entrar na política

“Candidato-me porque acredito que podemos voltar a recuperar os valores de Abril”, refere o advogado, que recusa estar a autopromover-se e garante que continuará a representar juridicamente o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas.

pardal_henriques_sindicato_nacional_dos_motoristas
Mário Cruz/Lusa

O advogado Pedro Pardal Henriques vai ser candidato pelo partido de António Marinho Pinto às eleições legislativas e deixará de ser porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) “por forma a não misturar o que poderia ser interpretado como campanha eleitoral”.

Em comunicado divulgado esta quarta-feira, Pedro Pardal Henriques recusa que se esteja a “autopromover” e explica que, ainda assim, continuará “a representar juridicamente este sindicato, assim como o Sindicato dos Seguranças e Vigilantes de Portugal, o Sindicato Independente dos Trabalhadores da Rodoviária de Lisboa”, bem como os outros que aceitou defender.

O novo cabeça de lista pelo círculo de Lisboa do Partido Democrático Republicano (PDR) refere que tomou a decisão depois de “ponderar bastante” e de “conferenciar com a família. “Fi-lo consciente de que pretendo ser uma voz ativa por todas as causas que tenho vindo a defender, e que considero que hoje não estão representadas no Parlamento”, assegura, numa nota enviada esta tarde às redações. “Candidato-me porque acredito que podemos voltar a recuperar os valores de Abril”, conclui.

A confirmação da candidatura do advogado foi feita pelo líder do PDR, em declarações à “RTP 3”. “Estamos muito orgulhosos por termos no combate eleitoral o homem que foi a cara de um combate sindical extremamente importante porque fugiu ao controlo que os aparelhos partidários têm sobre o sindicalismo em Portugal”, disse o antigo eurodeputado à chegada ao tribunal da comarca do Porto para entregar a lista de candidatos pelo PDR. “Um sindicalismo controlado por comissários políticos dos partidos é um sindicalismo castrado, que não representa os interesses dos trabalhadores. Pardal Henriques rompeu com isso”, destacou.

Está, assim, desfeito o tabu em redor da candidatura do advogado que tem sido a cara dos motoristas de matérias perigosas no seu conflito laboral contra os patrões do setor. A candidatura pelo PDR do porta-voz dos motoristas foi feita há duas semanas pelo “Diário de Notícias” e, desde então, tanto Marinho Pinto como Pardal Henriques têm recusado confirmá-la.

Recomendadas

CMEC: EDP recusa todas as acusações de favorecimento

A elétrica nacional refuta todos os pontos de eventual favorecimento de que é acusada e diz que tudo decorreu com uma transparência que a própria União Europeia confirmou.

“Vandalização”: Presidente do Instituto Superior Técnico critica mural do Bloco de Esquerda

Arlindo Oliveira criticou o mural realizado pelo partido de Catarina Martins nos muros do campus da Alameda em Lisboa. “Será que a vandalização de património público consta no programa do Bloco de Esquerda?”

Eleições: Rui Rio considera que 200 milhões para aumentos salariais “não chega para nada”

O presidente do PSD considerou esta sexta-feira que se o Governo só tem 200 milhões de euros para aumentar os funcionários públicos, estes estão “desgraçados” porque este dinheiro “não chega para nada” nos próximos quatro anos.
Comentários