Pedro Pombo: “Transformação digital é transversal a todos os setores”

Com uma faturação de 5,5 mil milhões de euros, a Accenture Interative foi distinguida como a maior rede digital a nível mundial, pelo terceiro ano.

A Ad Age distinguiu a Accenture Interactive como a maior rede digital a nível mundial, no seu Agency Report 2018. É o terceiro ano consecutivo em que a Accenture Interactive é distinguida, nesta avaliação de mais de 600 agências, redes  e empresas a nível mundial. Em entrevista, Pedro Pombo, managing director da Accenture Digital em Portugal,  explica a estratégia da firma.

O que representa esta distinção para a Accenture?

Pelo terceiro ano consecutivo, a Ad Age nomeia a Accenture Interactive como a maior rede digital a nível mundial, no seu 2018 Agency Report. Este ranking reforça a nossa posição como líderes (no ano fiscal de 2017, a Accenture Interactive teve receitas de 6,5 mil milhões de dólares [5,5 mil milhões de euros], com um crescimento anual de 35%), e reflete a procura cada vez maior para os nossos serviços de customer experience, num mercado altamente competitivo.

Entrevista publicada na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Teatro em Portalegre do século XIX está à venda no OLX por 350 mil euros

Trata-se de um edifício oitocentista e do sexto teatro mais antigo de Portugal. “Quem hoje lá passa não sabe ou nem se lembra da beleza deste espaço único e marcante desta cidade. Uma coisa é certa: vale a pena ver e estudar hipóteses para este imóvel único”, refere o dono.

Portugal pode “fortalecer mecanismo de acusação penal”, considera OCDE

No relatório sobre Portugal, a OCDE explica que a avaliação do nível de corrupção é difícil, uma vez que os indicadores existentes se baseiam principalmente em percepções. Recomenda ainda que Ministério Público deve “continuar a melhorar a capacidade” para combater a criminalidade económica e financeira.

Premium“Hoje as pessoas são jovens advogados até aos 45 anos”

Ana Rita Duarte Campos, presidente do Instituto de Apoio aos Jovens Advogados, teme que os recém-chegados à profissão, munidos de tecnologia, não vejam na advocacia um emprego apelativo e socialmente importante.
Comentários