Pedro Santana Lopes apresenta candidatura autárquica com intenção de cumprir três mandatos na Figueira da Foz

Antigo primeiro-ministro tenta retomar a autarquia a que presidiu entre 1997 e 2001, antes de ter conquistado a Câmara de Lisboa “por desígnio nacional”. Desta vez avança como independente, à frente do movimento “Figueira a Primeira”

santana_lopes_legislativas_voto
Tiago Petinga/Lusa

O antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes, que apresentou neste domingo a sua candidatura independente à Câmara da Figueira da Foz, 24 anos depois o ter feito pela primeira vez, garantiu ser sua intenção cumprir os três mandatos para um município “liderante”. Após ter sido presidente do município do distrito de Coimbra entre 1997 e 2001 pelo PSD, Santana Lopes, o cabeça de lista do movimento “Figueira a Primeira” disse ter então saído da Figueira da Foz para conquistar a Câmara de Lisboa por “imperativo nacional”.

Desta vez, contudo, o antigo presidente do PSD e ex-secretário de Estado da Cultura prometeu três mandatos, o máximo permitido por lei, e uma Figueira da Foz “na frente, liderante”.

“A Figueira da Foz tem de ser a capital do mar. A Figueira tem de liderar na investigação e na ciência, e, por isso, vai nascer entre a Costa de Lavos e a Gala um centro de investigação em ciências do mar”, disse, além de um centro de investigação da floresta.

Admitindo que a “malta nova” foi quem mais o incentivou a regressar à Figueira da Foz, Santana Lopes exigiu respeito pelo município e lembrou a “falta de respeito” que existe atualmente, com quatro pessoas a administrarem o Porto da Figueira, mas que são de Aveiro.

Sobre a dívida que terá deixado na Câmara da Figueira da Foz, Santana Lopes disse que essa foi uma “boa despesa”, porque foi feita em equipamentos “que podem ser usados durante várias gerações”. Garantindo mais apoios e “energia” para as associações e coletividades, exigiu camas em unidades de cuidados continuados e explicou que irá reduzir a dívida, sem prometer, para já, redução de impostos.

Uma cidade “mais culta”, um porto “ampliado”, eventualmente com um “terminal” na margem esquerda do Mondego, são outras das ideias do movimento “Figueira a Primeira”.

Estão já anunciadas as candidaturas de Rui Curado Silva (Bloco de Esquerda), Pedro Machado (PSD), Miguel Mattos Chaves (CDS-PP), João Carlos Domingues (Chega), Pedro Santana Lopes (independente) e Carlos Monteiro (PS), sendo esse o atual presidente da autarquia.

O executivo municipal da Figueira da Foz é liderado pelo PS, com seis mandatos, contra três do PSD, sendo que o partido retirou a confiança política a dois dos seus vereadores.

Recomendadas

Bolsonaro antecipa fraude eleitoral e Tunísia a caminho da ditadura. Veja “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Acompanhe o programa “A Arte da Guerra” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Estado ainda não apurou ajudas indevidas na Zona Franca da Madeira

Em dezembro de 2020, a Comissão Europeia concluiu que o regime III da Zona Franca da Madeira, que vigorou entre 2007 e 2013, desrespeitou as regras de ajudas estatais, pois abrangeu empresas que “não contribuíram para o desenvolvimento da região”, indicando que Portugal tinha de recuperar os apoios irregularmente prestados.

‘Handling’ é de interesse público mas não significa salvaguardar acionista da Groundforce, diz Siza Vieira (com áudio)

Questionado sobre se o setor do turismo e hotelaria pode estar confiante de que não acontecerão novas paralisações, o ministro da Economia disse julgar que “estão criadas as condições para que isso não suceda”.
Comentários