PremiumPedro Silveira: “Cumprimos e até excedemos o contrato com o BNP Real Estate”

Presidente do Grupo SIL, explica o pedido de arresto de que foi alvo pelo BNP Real Estate. Diz também que o projeto de Alcântara vai arrancar e que há vários bancos a querer financiar.

Pedro Silveira, em entrevista, contesta todos os argumentos invocados pela BNP Real Estate (BNPRE) para o pedido de indemnização de 12,475 milhões. O presidente do Grupo SIL rejeita que tenha havido incumprimento do contrato com a imobiliária do grupo financeiro francês.
O BNPRE registou um pedido de arresto dos terrenos do Grupo SIL em Alcântara no dia 25 de setembro invocando o incumprimento do promotor imobiliário.

Em 2017 o Expresso escrevia que o BNP Paribas era o financiador e o inquilino do Alcântara Offices, um projecto do Grupo SIL, mas em setembro deste ano a BNPRE avançou com um procedimento cautelar de arresto. O que aconteceu entre 2017 e 25 de setembro de 2019?
Essa notícia está errada. O BNPRE ia substituir o Deutsche Bank como acionista da sociedade dona do empreendimento [Alrio]. A compra dessa participação estava dependente do projecto de Alcântara ser aprovado até uma determinada data, que foi exigida pelo BNPRE. A data para o lote 9B era 31 de dezembro de 2018, e a data para o segundo lote era 30 de junho de 2019. O financiamento bancário ao projecto não está previsto em nenhum dos contratos.

A Alrio é a dona dos terrenos onde se vai fazer o projecto de Alcântara e os acionistas sou eu com 50,1% e um fundo gerido pelo Deutsche Bank com 49,9%.

Quanto é que teriam de pagar?
O negócio incluía terrenos, construção e fees, era um negócio para aí de 80 a 90 milhões. Isto é o que o BNP Paribas banco ia investir.

O BNPRE ia substituir o Deutsche Bank como acionista e depois eu e a BNPRE íamos vender os prédios de escritórios, já construídos, ao BNP Paribas banco. Fazíamos primeiro a venda dos lotes e depois um contrato de consultoria para a construção. Os pagamentos finais seriam com os escritórios construídos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

Novo Banco vende “Rei dos Cogumelos” em plena crise

O Novo Banco, maior credor do grupo Sousacamp, com 49% dos créditos, acordou a venda do maior produtor ibérico de cogumelos ao Core Capital.

Covid-19: Kaeser garante assistência a equipamentos de ar comprimido de hospitais e da indústria

Além de cerca de três mil empresas do setor industrial, em Portugal a Kaeser trabalha com hospitais como o Grupo Trofa Saúde, Hospital Santo António, Hospital de Braga, Hospital de Santa Maria, Hospital de Gaia, Hospitais de Coimbra, Hospitais Lusíadas e Fundação Champalimaud.
Comentários