BMW abre centro tecnológico em Lisboa. Com engenharia portuguesa

Depois da Mercedes Benz, é a vez da BMW, juntamente com a Critical Software, inaugurar hoje em Lisboa um centro de alta engenharia que desenvolverá soluções para todo o mundo automóvel da BMW.

BMW

O novo centro de excelência tecnológica conjunto da BMW e da Critical Software – o Critical TechWorks – é inaugurado esta quarta-feira, 13 de março, em Lisboa, pelo ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira. Este espaço partilhado, localizado na zona de Entrecampos, expande em Portugal o designado “ecossistema Critical” num novo escritório de sete andares.

Depois da unidade de engenharia especializada da Mercedes Benz, também a BMW e a Critical apostam no desenvolvimento de produtos de muito alta tecnologia, aumentando o cluster do sector automóvel em Portugal. Estes projetos destacam Lisboa no mapa europeu da inovação tecnológica na área das soluções de IT e do software de classe mundial.

A joint-venture Critical TechWorks foi lançada em 2018, integrando o Grupo BMW e a Critical Software, e já conta com 350 colaboradores especialistas em soluções de engenharia de software e mobilidade premium, e agora expande-se a partir da sua sede, na cidade do Porto. Segundo informações da joint-venture prestadas ao Jornal Económico, em 2019 esta unidade deverá crescer até ter 600 colaboradores, mas deverá aumentar até chegar ao milhar de colaboradores.

A Critical TechWorks vai partilhar os escritórios em Lisboa com a Critical Software. Em 2018 esta empresa internacional de sistemas e software duplicou o número de colaboradores para mais de 800, num ano em que atingiu um crescimento recorde – e celebrou 20 anos de atividade.

Agora ocupará dois andares do novo espaço em Entrecampos, juntando-se a outros escritórios em Portugal e na Europa, para continuar a servir os seus mercados internacionais. Rui Cordeiro, CEO da Critical TechWorks, comenta que “o software desempenha um papel cada vez mais importante no futuro da mobilidade e da indústria automóvel como um todo”. E ambições não faltam: “a Critical TechWorks quer ser uma referência em todo o mundo”, garante, explicando que esta unidade “desenvolve tecnologias de ponta onboard e offboard para o grupo BMW”.

O CEO da Critical Software, Gonçalo Quadros, adianta que “ao longo dos últimos 20 anos, a Critical Software tem vindo a dedicar-se a enfrentar alguns dos desafios tecnológicos mais exigentes. Agora em Lisboa a nossa equipa poderá continuar a desenvolver soluções inovadoras e disruptivas que ajudarão a definir indústrias em todo o mundo”.

Fundada em 2018, a Critical TechWorks desenvolve soluções de engenharia de software, exclusivamente para o BMW Group, em áreas diversas como condução autónoma, mobilidade, software de bordo, tecnologia para carros conectados, análise de dados, eletrificação, produção e logística. Com as suas marcas BMW, MINI, Rolls-Royce e BMW Motorrad o BMW Group é o construtor premium de automóveis e motos mais bem-sucedido do mundo, oferecendo também serviços financeiros e de mobilidade. Em termos globais, o BMW Group detém 30 fábricas em 14 países e uma rede global de vendas em mais de 140 países.

Em 2018, o BMW Group atingiu um volume global de vendas superior a 2,49 milhões de automóveis e mais de 165 mil motociclos. O resultado antes de impostos em 2017 foi de 10,65 mil milhões de euros, num total de 98,67 mil milhões de euros de volume de negócios. Em 31 de Dezembro de 2017 a empresa empregava, aproximadamente, 129.932 colaboradores.

Ler mais
Recomendadas

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.

Dragagens do porto de Setúbal devem começar amanhã

Administração do Porto de Setúbal diz que está a trabalhar com as associações de pescadores para encontrar uma solução que defenda os interesses da comunidade piscatória.

“TAP vai passar a voar para a Ásia”, garante Miguel Frasquilho

O ‘chairman’ da TAP considera que a Ásia é um continente incontornável no futuro para na rede de rotas trabalhadas pela companhia aérea nacional, uma vez que é a região do Mundo mais dinâmica neste momento, também no setor do turismo.
Comentários