Pedrógão: EDP considera que acusação a colaboradores “não tem fundamento”

A EDP Distribuição considerou esta sexta-feira que “não tem fundamento” a acusação a dois colaboradores pela falta de limpeza da vegetação junto a linhas elétricas, apesar de pronunciados no processo do incêndio de 2017 com início em Pedrógão Grande.

A EDP Distribuição considerou esta sexta-feira que “não tem fundamento” a acusação a dois colaboradores pela falta de limpeza da vegetação junto a linhas elétricas, apesar de pronunciados no processo do incêndio de 2017 com início em Pedrógão Grande.

Segundo uma nota da EDP Distribuição, a acusação que recai sobre dois dos seus colaboradores “restringe-se unicamente à alegada falta de limpeza da vegetação junto às linhas elétricas”.

“A EDP Distribuição reafirma que tal acusação não tem fundamento, uma vez que efetuou vigilâncias regulares sobre as linhas elétricas e interveio na vegetação, cumprindo todas as suas obrigações de forma a garantir a qualidade de serviço e a segurança da rede”, salientou a empresa.

O juiz de instrução do Tribunal de Leiria decidiu levar a julgamento 10 dos 13 arguidos no processo que visa apurar responsabilidades criminais do incêndio que teve início em Pedrógão Grande, em 2017, que provocou 66 mortos.

A empresa distribuidora de energia elétrica alegou que, no seu entendimento, “não podem ser imputadas responsabilidades criminais aos seus colaboradores” e “reitera a total confiança” no trabalho desenvolvido por si e pelas suas equipas operacionais.

A EDP Distribuição recordou que, “em sede de inquérito sobre a causa do incêndio, foi afastada a hipótese da ignição estar na origem da rede elétrica”.

Dos 13 arguidos do processo, o juiz de instrução decidiu pronunciar, remetendo para julgamento, os então presidentes dos municípios de Castanheira de Pera, Fernando Lopes, de Figueiró dos Vinhos, Jorge Abreu, e de Pedrógão Grande, Valdemar Alves.

Na sequência do debate instrutório, o tribunal decidiu ainda levar a julgamento a então engenheira florestal no município de Pedrógão Grande Margarida Gonçalves; o comandante dos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande, Augusto Arnaut; o subdiretor da área comercial da EDP José Geria; o subdiretor da área de manutenção do Centro da mesma empresa, Casimiro Pedro; e três arguidos com cargos na Ascendi Pinhal Interior: José Revés, António Berardinelli e Rogério Mota.

O juiz decidiu não pronunciar o comandante distrital de operações de socorro de Leiria à data dos factos, Sérgio Gomes, o segundo comandante distrital, Mário Cerol, e José Graça, então vice-presidente da Câmara de Pedrógão Grande.

O incêndio que deflagrou em 17 de junho de 2017, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, e que alastrou depois a concelhos vizinhos, provocou 66 mortos e 253 feridos, sete deles com gravidade, tendo destruído cerca de 500 casas, 261 das quais eram habitações permanentes, e 50 empresas.

Ler mais
Recomendadas

PremiumFornecedores ganham margem negocial sobre grandes superfícies

Diploma impede distribuição de tirar de forma unilateral dinheiro de contas-correntes com fornecedores. “Era uma prática aberrante”, diz a Centromarca.

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.

Trabalhadores da General Motors em greve a partir de segunda-feira

O sindicato United Auto Workers (UAW), o maior do setor automóvel, marcou hoje uma greve que abrange os cerca de 48 mil trabalhadores do gigante norte-americano General Motors (GM) na primeira paralisação em 12 anos.
Comentários