Pedrógão: EDP considera que acusação a colaboradores “não tem fundamento”

A EDP Distribuição considerou esta sexta-feira que “não tem fundamento” a acusação a dois colaboradores pela falta de limpeza da vegetação junto a linhas elétricas, apesar de pronunciados no processo do incêndio de 2017 com início em Pedrógão Grande.

A EDP Distribuição considerou esta sexta-feira que “não tem fundamento” a acusação a dois colaboradores pela falta de limpeza da vegetação junto a linhas elétricas, apesar de pronunciados no processo do incêndio de 2017 com início em Pedrógão Grande.

Segundo uma nota da EDP Distribuição, a acusação que recai sobre dois dos seus colaboradores “restringe-se unicamente à alegada falta de limpeza da vegetação junto às linhas elétricas”.

“A EDP Distribuição reafirma que tal acusação não tem fundamento, uma vez que efetuou vigilâncias regulares sobre as linhas elétricas e interveio na vegetação, cumprindo todas as suas obrigações de forma a garantir a qualidade de serviço e a segurança da rede”, salientou a empresa.

O juiz de instrução do Tribunal de Leiria decidiu levar a julgamento 10 dos 13 arguidos no processo que visa apurar responsabilidades criminais do incêndio que teve início em Pedrógão Grande, em 2017, que provocou 66 mortos.

A empresa distribuidora de energia elétrica alegou que, no seu entendimento, “não podem ser imputadas responsabilidades criminais aos seus colaboradores” e “reitera a total confiança” no trabalho desenvolvido por si e pelas suas equipas operacionais.

A EDP Distribuição recordou que, “em sede de inquérito sobre a causa do incêndio, foi afastada a hipótese da ignição estar na origem da rede elétrica”.

Dos 13 arguidos do processo, o juiz de instrução decidiu pronunciar, remetendo para julgamento, os então presidentes dos municípios de Castanheira de Pera, Fernando Lopes, de Figueiró dos Vinhos, Jorge Abreu, e de Pedrógão Grande, Valdemar Alves.

Na sequência do debate instrutório, o tribunal decidiu ainda levar a julgamento a então engenheira florestal no município de Pedrógão Grande Margarida Gonçalves; o comandante dos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande, Augusto Arnaut; o subdiretor da área comercial da EDP José Geria; o subdiretor da área de manutenção do Centro da mesma empresa, Casimiro Pedro; e três arguidos com cargos na Ascendi Pinhal Interior: José Revés, António Berardinelli e Rogério Mota.

O juiz decidiu não pronunciar o comandante distrital de operações de socorro de Leiria à data dos factos, Sérgio Gomes, o segundo comandante distrital, Mário Cerol, e José Graça, então vice-presidente da Câmara de Pedrógão Grande.

O incêndio que deflagrou em 17 de junho de 2017, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, e que alastrou depois a concelhos vizinhos, provocou 66 mortos e 253 feridos, sete deles com gravidade, tendo destruído cerca de 500 casas, 261 das quais eram habitações permanentes, e 50 empresas.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

Novo Banco vende “Rei dos Cogumelos” em plena crise

O Novo Banco, maior credor do grupo Sousacamp, com 49% dos créditos, acordou a venda do maior produtor ibérico de cogumelos ao Core Capital.

Covid-19: Kaeser garante assistência a equipamentos de ar comprimido de hospitais e da indústria

Além de cerca de três mil empresas do setor industrial, em Portugal a Kaeser trabalha com hospitais como o Grupo Trofa Saúde, Hospital Santo António, Hospital de Braga, Hospital de Santa Maria, Hospital de Gaia, Hospitais de Coimbra, Hospitais Lusíadas e Fundação Champalimaud.
Comentários