PremiumPequenos produtores vendem negócios para evitar falência

As pequenas empresas produtoras de vinho, que não exportam e dependem das vendas em restaurantes, “estão com problemas graves”, alerta o presidente da ViniPortugal, Frederico Falcão.

A quebra de vendas no sector do vinho está a afetar os pequenos produtores que não têm capacidade para suportar a paragem da atividade nos restaurantes, optando por vender os seus negócios, admitiram ao Jornal Económico (JE) responsáveis do sector da vitivinicultura.

“As pequenas empresas de vitivinicultura estão numa situação muito complicada. O nosso sector vitivinícola é composto em 75% por micro empresas e em 24,2% por PME. Entre PME e micro temos 99,2% de empresas e muitas destas não exportam, ficando altamente dependentes do mercado nacional, da restauração e das vendas em pequenas lojas de vinho, porque não têm dimensão suficiente para entrar nas redes das grandes superfícies, nos super e hipermercados. Não exportando e não estando nas grandes superfícies estas empresas viram o seu mercado tradicional, os restaurantes e as pequenas lojas, fechado de março a maio. Apesar da reabertura do mercado em meados de maio e junho, sofrem com a grande redução do consumo nos restaurantes”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Eletricidade e gás natural batem máximos com vaga de frio em Portugal

Na eletricidade foi batido um recorde já com 11 anos. Também a exportação de gás para Espanha atingiu um novo máximo este mês.

‘Luanda Leaks’. CMVM fez seis comunicações à PJ e não descarta possibilidade de mais

“Estamos a fechar estes trabalhos com nove auditores analisados, em 27 entidades auditoras analisadas”, explicou Gabriela Figueiredo Dias aos jornalistas. “Foram enviados 12 processos para apreciação contraordenacional, relativamente a um auditor e há mais dois que estão em análise relativemente a outros auditores”

Amazon e Walmart alteram política de devoluções e vão permitir que os clientes fiquem com alguns produtos

Quando o processamento da devolução não compensa as empresas, a solução passa por permitir que o cliente fique com o que comprou, instando-o a doá-lo caso não o vá utilizar por não estar satisfeito. A estratégia foi, sem surpresa, impulsionada pela pandemia de Covid-19, que fez disparar as compras online.
Comentários