Perdas até 78 milhões de euros por dia. Brexit sem acordo pode ‘devastar’ indústria automóvel britânica

A indústria automóvel é uma das que mais está a sofrer com a possibilidade de um ‘hard’ Brexit. Especialistas sustentam que os preços dos automóveis podem subir até 1.500 libras (1.675 euros), devido às taxas aduaneiras que a União Europeia pode vir a aplicar.

A indústria automóvel do Reino Unido pode enfrentar perdas milionárias, caso o Brexit aconteça sem acordo no próximo dia 31 de outubro, noticia o jornal espanhol ‘Expansión’.

A Associação de Fabricantes e Comerciantes de Motores assegurou que esta indústria irá perder 70 milhões de libras (78 milhões de euros) por cada dia que o Reino Unido continuar sem um acordo. Os especialistas que estão a estudar os efeitos de um Brexit sem acordo, sustentam ainda que os preços dos automóveis podem subir até 1.500 libras (1.675 euros), devido às taxas aduaneiras que a União Europeia pode vir a aplicar.

“O fim da inexistência de fronteiras pode provocar grandes dificuldades para a indústria, que é baseada no modelo ‘just-in-time'”, segundo o relatório dos analistas. “O atraso no transporte de partes automóveis para a cadeia de produção mede-se em minutos, e cada minuto de atraso pode custar 50 mil libras (65 milhões de euros) em valor agregado bruto, ou mesmo 70 milhões de libras por dia, imaginando o pior cenário”, sublinham.

A indústria automóvel é uma das que mais está a sofrer com o Brexit. No ano passado, o setor perdeu dois nomes, como a Honda que anunciou o fecho da fábrica de Swindon, já em 2021, e a Ford, que anunciou um corte drástico no tamanho da fábrica em Bridgen.

Ainda que os dois fabricantes não tenham confirmado que a saída se deve ao Brexit, o investimento no setor está a sofrer grandes quebras e os fabricantes já estão à procura de outros destinos na Europa para se fixarem.

No entanto, os analistas afirmam que o setor está cada vez mais preocupado com o futuro, com um previsível triunfo de Boris Johnson. O político está a concorrer para primeiro-ministro e para líder do Partido Conservador, e já garantiu publicamente que pretende deixar a União Europeia quando chegar a data, quer isso implique com ou sem acordo.

Ler mais
Relacionadas

Boris Johnson: “Não acredito por um momento” num Brexit sem acordo

Boris Johnson reconheceu, numa entrevista à BBC, que precisaria da cooperação da UE para evitar a reposição da fronteira irlandesa ou de pesadas taxas comerciais, num cenário de um Brexit sem acordo.

Brexit sem acordo é mais provável com Boris Johnson em Downing Street, alertam analistas

Analistas acreditam que Jeremy Hunt, ministro dos Negócios Estrangeiros e que é a favor de um Brexit com acordo, tem poucas hipóteses de vencer Boris Johnson nas eleições internas do Partido Conservador para a substituição de Theresa May.

Sondagem mostra Boris Johnson como o melhor amigo dos independentistas escoceses

Textos antigos do candidato a líder dos conservadores britânicos podem ter um profundo efeito nas fronteiras do Reino Unido quando chegar a primeiro-ministro.
Recomendadas

Rede internacional de cabeleireiros critica promoção de “prestação de serviços de beleza ao domicílio”

A Jean Louis David, impedida de trabalhar devido às proibições decretadas pelo Governo durante o confinamento geral, “não considera aceitável que esta situação possa existir”, referindo-se à publicação do estudo que aborda o aumento da procura por estes serviços fornecidos em domiciliário.

Tecnológica IBM expande serviços de cloud híbrida com banca e saúde na mira

A “IBM Cloud Satellite” pretende permitir aos clientes – altamente regulados e com um grande volume de informação para processar -controlarem o armazenamento das suas informações e de grandes quantidades de dados online.

United Airlines encomenda 25 novos Boeing 737 Max para 2023

Os modelos 737 Max da companhia aérea estiveram sem voar desde março de 2019, depois de dois acidentes na Indonésia e na Etiópia terem causado a morte de 346 pessoas.
Comentários