Pereira Coutinho negoceia venda da SIVA à Volkswagen

As negociações apontam para um desfecho em setembro. A SIVA, devido à frágil situação financeira da SAG, não consegue importar carros Volkswagen.

A Porsche Holding Salzburg, a maior distribuidora europeia de automóveis, detida a 100% pela fabricante alemã Volkswagen, está em negociações avançadas para passar a distribuir diretamente em Portugal as marcas que hoje são importadas e distribuídas pela SIVA, detida pela holding portuguesa SAG GEST – Soluções Automóvel Globais, apurou o Jornal Económico. A SAG é detida por João Pereira Coutinho.

A SAG, dona da SIVA, está em negociações com a Porsche Holding Salzburg para lhe vender a importadora portuguesa que distribui as marcas Volkswagen, Audi, Skoda, Lamborghini e Bentley. O negócio deverá ficar fechado em setembro, segundo soube o Jornal Económico.

As conversas que existem entre o grupo de João Pereira Coutinho e a Porsche Holding austríaca, têm a finalidade de encontrar uma solução para os problemas financeiros com que se depara a SAG e consequentemente a subsidiária SIVA.

Contatada, a SIVA disse que “não temos comentários a fazer”. Neste momento, ainda não está fechada a forma como a subsidiária da Volskwagen da Alemanha irá entrar no grupo de João Pereira Coutinho, uma vez que as negociações ainda estão a decorrer e a operação de venda ainda não está concluída. Por isso, não foi possível apurar se em causa estará a venda da SAG (no todo ou em parte) ou se apenas a venda da SIVA.

Na hipótese de compra da SAG, a Porsche passará, para além da SIVA, que importa a marca Volskagen, a deter também a concessionária Soauto, que incorpora as várias concessões automóveis da marca Volkswagen, pertencentes ao Grupo SAG.

Em cima da mesa poderá ainda estar a manutenção por parte da SAG, e de João Pereira Coutinho,  de uma participação minoritária da SIVA, explicou ao Jornal Económico fonte conhecedora do processo.

O Grupo SAG depara-se com uma situação financeira crítica, o que tem afectado a atividade da SIVA que, por falta de liquidez não consegue importar automóveis suficientes para responder à procura. O que tem deixado os compradores nacionais de automóveis da marcas importadas pela SIVA em longos meses de espera, sem perspetiva das datas para a entrega dos veículos. Há situações de clientes que já sinalizaram os carros e continuam há espera desde o início do ano, soube o Jornal Económico.

A situação da SIVA (único importador dos carros Volkswagen, Audi e Skoda) é nesta altura muito delicada e afeta toda a cadeia de valor.

Sempre que um concessionário português precisa de encomendar por exemplo um Volkswagen à distribuidora, a SIVA sinaliza a encomenda junto do fabricante que o despacha por contentor para Portugal. O carro permanece nos portos alfandegários até que a SIVA liquide o automóvel. O que tem sido frequente é os automóveis ficarem retidos nas alfândegas. A situação não afeta apenas os clientes dos concessionários, mas também os trabalhadores destes, que só ganham à comissão aquando da entrega do carro ao cliente.

Fonte familiarizada com o assunto, diz que a SIVA, que sempre foi rentável, foi afetada pela frágil situação financeira da SAG, que no primeiro trimestre deste ano apresentou um EBITDA negativo de 3,6 milhões de euros, e resultados líquidos consolidados negativos em 6,7 milhões de euros, que compara com o valor de 0,4 milhões de euros no mesmo período de 2017. O valor da dívida líquida consolidada ascendeu a 135,5 milhões de euros, o que compara com 125,2 milhões de euros em 31 de Dezembro de 2017 .

A SAG tentou em abril realizar uma reunião em assembleia geral da sociedade para deliberar a perda da qualidade de sociedade aberta, mas acabou por retirar a convocatória porque não conseguiu encontrar um único acionista disponível para adquirir, “no prazo de três meses após o deferimento pela CMVM, os valores mobiliários pertencentes às pessoas que não tenham votado favoravelmente a deliberação da assembleia”, conforme dita a lei.

A atual situação financeira da SIVA, tradicionalmente a subsidiária mais rentável do Grupo SAG, tem origem nos investimentos da SAG que acabaram em elevadas perdas.

A SAG levou a cabo alguns negócios que acabaram por afetar a tesouraria da SIVA. Entre estes investimentos, está a empresa de rent-a-car, Unidas, no Brasil.

Incapaz de fazer face a todas as despesas, a SIVA tornou-se financeiramente incapaz de importar tantos automóveis Audi, Volkswagen e Skoda como anteriormente.

Segundo as mesmas fontes, até há algum tempo, esta situação era mitigada pelas garantias bancárias que a SIVA tinha na Alemanha, mas a linha de crédito ter-se-á esgotado.

O colapso financeiro e operacional da SIVA tem efeitos colaterais nos concessionários de automóveis portugueses, sublinharam as mesmas fontes contactadas pelo Jornal Económico.

Segundo os dados da Associação Automóvel de Portugal, que o Jornal Económico consultou, as vendas de automóveis ligeiros novos no país cresceram no primeiro semestre deste ano 5,5% em comparação com o período homólogo, para cerca de 153.870 viaturas vendidas. No entanto, em contraciclo, surgem as vendas das marcas Audi, Volkswagen e Skoda no mesmo período, com quebras de 36,4%, 22,5% e 27,8%, respetivamente.

Ler mais

Recomendadas

Despesa corrente em saúde aumentou em 2018 e 2019, diz o INE

De acordo com os resultados da Conta Satélite da Saúde do INE, na base 2016, o crescimento nominal da despesa corrente em saúde nesses anos foi superior ao do PIB mais 1,3 pontos percentuais (p.p.).

CP “empurra” para despedimento 120 trabalhadores dos bares dos comboios, acusa federação dos sindicatos

A Federação dos Sindicatos da Agricultura. Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo (FESAHT) alerta que os 120 trabalhadores dos bares dos comboios da CP estão em risco de “serem vítimas de um despedimento colectivo”. Tudo porque, diz FESAHT, a empresa mantém a recusa da reabertura do serviço de refeições dos bares dos comboios Alfa Pendular e Intercidades.

António Costa reúne-se hoje com homólogo holandês em Haia

O primeiro-ministro, António Costa, reúne-se hoje em Haia com o seu homólogo holandês, Mark Rutte, no quadro dos encontros bilaterais que tem mantido com outros líderes europeus antes do Conselho Europeu de sexta-feira e sábado em Bruxelas.
Comentários