PremiumPerguntas sem respostas no sector ferroviário

Pedro Nuno Santos evitou esclarecimentos sobre o PRR, uma eventual cisão da IP, uma integração da IP ferroviária na CP e a concorrência no transporte de mercadorias.

O ministro das Infraestruturas e da Habitação acedeu conceder a entrevista ao Jornal Económico se abordasse exclusivamente temas do sector ferroviário, como se sabe, uma das predileções de Pedro Nuno Santos. Desta forma, foi impossível obter esclarecimentos sobre os escaldantes processos em torno da TAP e da Groundforce, por exemplo. Mas também no sector ferroviário houve questões colocadas pelo Jornal Económico a que o ministro das Finanças se escusou a responder.

Uma das perguntas que ficou sem resposta foi saber de que forma o PRR – Plano de Recuperação e Resiliência vai ser aplicado no projeto nacional de recuperação e rejuvenescimento do sector ferroviário nacional. O mesmo silêncio em relação aos valores de investimento projetados para este sector no âmbito do PRR. Pedro Nuno Santos também evitou a questão sobre se está em cima da mesa algum projeto para voltar a cindir a IP, separando a gestão do sector ferroviário da do sector rodoviário, como ocorria antes com a operação separada das empresas Refer e Estradas de Portugal.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Sonae, SAP e Nestlé lideram programa europeu de requalificação de profissionais

De acordo com o comunicado divulgado esta sexta-feira, a primeira ação de formação será liderada pela Nestlé, dirigindo-se à requalificação de profissionais para o setor da Indústria. A formação para Técnicos de Manutenção irá arrancar em janeiro de 2022 no Serviço de Formação do Porto do IEFP e terá a duração aproximada de seis meses.

Teletrabalho. CES, parceiros sociais e Escola Nacional de Saúde vão estudar impacto do trabalho remoto

Explica o Conselho Económico e Social em comunicado que este projeto “tem como objetivo compreender de que forma o teletrabalho pode afetar a saúde mental e física dos funcionários e, indiretamente, o bem-estar no trabalho, a organização das empresas e a sua produtividade”.

Ordem dos Economistas. Veja ou reveja a entrevista a António Mendonça, novo bastonário da Ordem

A 7 de outubro, o então candidato a bastonário destacou em entrevista ao JE que o objetivo da sua candidatura passava por mudar a Ordem, prestigiar os economistas e colocar esses profissionais ao serviço do crescimento económico do país, nomeadamente no que diz respeito ao acompanhamento e monitorização do Plano de Recuperação e Resiliência. António Mendonça foi eleito esta sexta-feira, numa corrida eleitoral que contou com a presença de Pedro Reis.
Comentários