Pesquisam opiniões, preços e informações na internet: o que fazem os portugueses antes de comprar online?

Inquérito sobre e-commerce realizado em parceria entre o Portal da Queixa e a empresa Netquest, quis perceber quais são os comportamentos dos portugueses na hora de comprar online, o que pesquisam e onde, e se são influenciados na decisão de compra.

Mais de metade dos portugueses utilizam a internet para pesquisa de opiniões, preços e informações, de acordo com um inquérito sobre e-commerce realizado em parceria entre o Portal da Queixa e a empresa Netquest. Dos mais de 5 mil inquiridos, 53% afirmam que consultam “sempre” as opiniões de outros clientes na internet antes de fazerem compras online e só 3% “nunca” consultaram nenhum tipo de informação antes de realizar o mesmo procedimento.

Antes de fazerem as compras online, oito em cada dez dos inquiridos optam por comparar preços ou funcionalidades, bem como a opinião de outros consumidores em sites e plataformas, como o Portal da Queixa, sendo que os homens comparam mais os produtos e serviços do que as mulheres, mas procuram menos as opiniões de outros consumidores.

O mesmo número de consumidores do ponto anterior consultam informação, antes da compra online em motores de busca. Mais de metade usa o site da marca ou comparadores de preço, enquanto que quatro em cada dez utilizam o Portal da Queixa.

Os homens são quem mais utiliza os comparadores de preço, enquanto as mulheres destacam o uso do Portal da Queixa e das redes sociais.

Recomendadas

Como alternar automaticamente entre os modos claro e escuro no Windows 10

Aprenda a programar o Windows para alternar automaticamente entre o modos de visualização escuro e claro consoante a hora.

Regimes de casamento: que diferença fazem nas finanças do casal?

O regime de bens que se escolhe no âmbito do casamento influencia as finanças de um casal, em particular na hora de solicitar um empréstimo. Também em situação de divórcio há consequências distintas no crédito consoante o regime de bens adotado.

PremiumDireção Geral de Saúde desaconselha tabaco eletrónico

Direção Geral de Saúde associa substâncias utilizadas nos líquidos do tabaco eletrónico a doenças pulmonares, remetendo para futuras medidas de Bruxelas. Do lado contrário, estão empresas como a Nerudia, que emprega cerca de 370 pessoas.
Comentários