Pesquisam opiniões, preços e informações na internet: o que fazem os portugueses antes de comprar online?

Inquérito sobre e-commerce realizado em parceria entre o Portal da Queixa e a empresa Netquest, quis perceber quais são os comportamentos dos portugueses na hora de comprar online, o que pesquisam e onde, e se são influenciados na decisão de compra.

Mais de metade dos portugueses utilizam a internet para pesquisa de opiniões, preços e informações, de acordo com um inquérito sobre e-commerce realizado em parceria entre o Portal da Queixa e a empresa Netquest. Dos mais de 5 mil inquiridos, 53% afirmam que consultam “sempre” as opiniões de outros clientes na internet antes de fazerem compras online e só 3% “nunca” consultaram nenhum tipo de informação antes de realizar o mesmo procedimento.

Antes de fazerem as compras online, oito em cada dez dos inquiridos optam por comparar preços ou funcionalidades, bem como a opinião de outros consumidores em sites e plataformas, como o Portal da Queixa, sendo que os homens comparam mais os produtos e serviços do que as mulheres, mas procuram menos as opiniões de outros consumidores.

O mesmo número de consumidores do ponto anterior consultam informação, antes da compra online em motores de busca. Mais de metade usa o site da marca ou comparadores de preço, enquanto que quatro em cada dez utilizam o Portal da Queixa.

Os homens são quem mais utiliza os comparadores de preço, enquanto as mulheres destacam o uso do Portal da Queixa e das redes sociais.

Recomendadas

Incerteza leva famílias portuguesas a poupar mais

A taxa de poupança das famílias deverá continuar em rota ascendente este ano. Por outro lado, a pandemia não altera o perfil de investidor tipicamente conservador das famílias portuguesas.

Aprovada proposta do Governo para mora no pagamento de renda dos contratos não habitacionais até 31 de dezembro

A nova lei define que os donos de estabelecimentos, forçados a encerrar devido à pandemia, possam usufruir de moratória até 31 de dezembro

Três em cada 10 portugueses permitiria que Governo monitorizasse atividade nas redes sociais

O inquérito da consultora demonstra que apenas 19% dos portugueses que participaram nesta investigação tinham ouvido falar em sistemas de qualificação social. Principal motivo para permitir esta partilha de informação prende-se com o acesso a oportunidades de emprego.
Comentários