Pestana Delfim Hotel vendido por 35 milhões de euros. Grupo Pestana não quis comprar, fica como arrendatário

O Pestana Delfim Beach & Golf Hotel, localizado em Alvor, está equipado com 240 quartos duplos, 59 quartos familiares e 13 suítes. O hotel tem ainda um restaurante, dois bares, cinco salas de reuniões e um salão de eventos.

Considerada a maior operação em investimentos de hotelaria no Algarve registada no quarto trimestre de 2019 e entra diretamente para o top das maiores transações de hotelaria a nível nacional, acaba de ser anunciada a venda o Pestana Delfim Hotel a um fundo de pensões nacional do BPI, com um valor de aproximadamente 35 milhões de euros.

Esta unidade hoteleira era propriedade de um fundo imobiliário gerido por uma sociedade gestora portuguesa.

À margem da apresentação de resultados e de novos investimentos, que decorreu na manhã desta quarta-feira, em Lisboa, José Theotónio, CEO do Pestana Hotel Group, explicou que neste caso o grupo é arrendatário e que, apesar de lhes ter sido concedido o direito de preferência, optaram por continuar na mesma condição. “Decidimos permanecer como arrendatários e na prática pouco muda para nós. Passamos a trabalhar com um findos de pensões, o que nos inspiram muita segurança, o qual pertence a uma instituição bancária que é nossa parceria de há muito e com a qual muito trabalhamos”.

Sobre a operação, a Worx – Real Estate Consultants, que representou o comprador, acrescenta que “demonstra a efervescência do mercado de hotelaria em particular na zona do Algarve. De assinalar também o facto de o comprador ser nacional, contrariando um pouco a tendência que se tem registado ultimamente neste setor”.

 

Relacionadas

Grupo Pestana anuncia investimento de 250 milhões. Vai abrir 10 hotéis em 2020

No próximo ano, o grupo vai abrir quatro hotéis e duas pousadas em Portugal. Lá fora, vai inaugurar três Pestana CR7 e um novo hotel em Marrocos.
Recomendadas

CEO da Ryanair diz que houve um disparo nas reservas do Reino Unido para Portugal, Espanha e Itália

Tendo em conta que estes três países já iniciaram a fase de desconfinamento, as reservas de voos para fins turísticos espelham a despreocupação dos britânicos quanto ao risco de infeção por Covid-19 nos destinos do sul da Europa.

Confederações empresariais escrevem a Centeno para intervir nos seguros de crédito

Algumas confederações já se tinham queixado que as seguradoras de crédito estavam a reduzir as coberturas contratadas pelas empresas. Cinco confederações empresas escrevem agora ao ministro das Finanças a pedir para intervir e garantir seguros para risco de crédito, nomeadamente à exportação para não comprometer a fluidez das trocas comerciais. Produtos químicos e farmacêuticos, alimentar ou a construção, são alguns dos setores que precisam urgentemente de manter ou reforçar estes seguros, para evitar paragem abrupta da atividade.

Portugal quer garantir “corredor aéreo” para turismo britânico

No ano passado, mais de 16 milhões de turistas internacionais chegaram a Portugal, sendo que do total deste valor, 20% eram cidadãos do Reino Unido.
Comentários