Petição contra Lei da Identidade de Género tem mais de 23 mil assinaturas

A polémica do despacho relativo à identidade de género publicado em Diário da Republica continua. Os deputados do PSD criticam a lei que permite que crianças que não se reconheçam no género com que nasceram possam escolher as casas de banho que usam na escola.

Os deputados da bancada parlamentar do PSD já se manifestaram quanto à polémica do despacho do Governo que permite que as crianças que não se reconhecem no género com que nasceram frequentem as casas de banho que preferirem. Por outras palavras, os sociais-democratas classificam a medida como uma imposição da “esquerda radical” que pode “agravar fenómenos de bullying e violência escolar”. Em declarações ao jornal “Expresso”, os deputados insurgem-se contra um despacho aprovado “em pleno período de férias e de forma quase oculta” para determinar as medidas que vêm concretizar a lei da autodeterminação de género.

Entre elas, as que têm a ver com a implementação da legislação nas escolas, e que preveem que estas crianças possam escolher os uniformes que utilizam “de acordo com a opção com que se identificam”, escolher as atividades para meninos ou meninas que preferirem realizar ou o livre acesso “às casas de banho e balneários, tendo sempre em consideração a sua vontade expressa e assegurando a sua intimidade e singularidade”.

Para os deputados sociais-democratas, estas regras não só “não salvaguardam o direito de todas as crianças à sua intimidade e singularidade” como “potencialmente agravarão fenómenos de bullying e violência escolar e originarão tensão junto das comunidades escolares”, cita o jornal as respostas da bancada. Assim, o despacho em causa é “reflexo da imposição de uma agenda ideológica de esquerda radical que está a ser imposta às escolas”.

Finalizam a argumentação colocando três questões ao Governo: se estaria a ser posta em causa o princípio constitucional que impede que o Estado programe a educação e a cultura segundo quaisquer diretrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas e religiosas? Pode garantir que a colocação em prática desta medida salvaguardará “a intimidade e a singularidade de todas as crianças”? E pode o ministério da Educação identificar quais os estabelecimentos de ensino que impõem às crianças atividades diferenciadas por sexo?

Face a esta polémica a petição contra a lei aprovada soma, esta quinta-feira, mais de 23 mil assinaturas. Na descrição, os autores da petição questionam: “Qual mesmo o objectivo da aprovação e consequente entrada em vigor, em pleno Agosto, quando tantos pais e crianças estão de férias, de um despacho desta natureza fraturante?”.

Relacionadas

Jovens do CDS querem travar em tribunal lei que permite jovens transgéneros escolherem WC que querem nas escolas

Aos olhos da Juventude Popular, a aprovação desta lei é uma maneira da geringonça “transformar o Ensino em Portugal na sua ‘rave’ privada”. “A Escola não é um acampamento de verão do Bloco de Esquerda”, segundo o líder dos jovens do CDS que critica o PS por andar a “reboque desta agenda pseudo-moderninha”.
Recomendadas

“Lisboa estava em sentada em tanto dinheiro de impostos que nem sabia o que lhe fazer”, realça candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considera que é importante estancar o aumento de trabalhadores na Câmara Municipal de Lisboa e diminuir os “10 a 12 milhões em avenças e os 13 milhões em horas extraordinárias”.

Portugal concede terceira moratória a Cabo Verde para o pagamento da dívida

O anúncio foi feito esta pelo Governo que aprovou uma nova suspensão do pagamento do serviço da dívida por parte da República de Cabo Verde, relativa aos empréstimos diretos concedidos.

Bloco de Esquerda pede “força suficiente” em Almada para um “acordo à esquerda”

Catarina Martins – acompanhada pela recandidata e vereadora à Câmara de Almada, Joana Mortágua – desembarcou nesta estação de metro, vinda do centro da cidade, onde fixou, em declarações aos jornalistas, metas do partido para uma das disputas eleitorais autárquicas mais mediáticas.
Comentários