Petrolífera Chevron compra Anadarko

O negócio avalia a petrolífera norte-americana Anadarko em 33 mil milhões de dólares (cerca de 29 mil milhões de euros) ou 65 dólares por ação.

O grupo Chevron chegou a um acordo para comprar a totalidade das ações representativas do capital social da Anadarko Petroleum, ambos dos Estados Unidos da América, segundo uma comunicação ao mercado.

A Anadarko Petroleum é operador num projeto de gás natural em Moçambique, tendo informado, em comunicado datado de 5 de março de 2019, que a decisão final de investimento do projeto de gás natural do bloco Área 1 da bacia do Rovuma deverá ter lugar segundo o cronograma em vigor, que aponta para o primeiro semestre.

Segundo o “MacauHub”, o negócio, que avalia o grupo Anadarko Petroleum em 33 mil milhões de dólares (cerca de 29 mil milhões de euros) ou 65 dólares por ação, fará com que cada accionista deste grupo receba 0,3869 títulos do grupo Chevron e 16,25 dólares em dinheiro por cada ação detida.

Uma vez concluído este negócio, o grupo Chevron terá emitido 200 milhões de novas ações e pago uma soma em dinheiro estimada em oito mil milhões de dólares e assumido uma dívida calculada em 15 mil milhões de dólares (perto de 13 mil milhões de euros).

O grupo Chevron informou ainda pretender vender ativos no valor de 15 mil milhões de dólares a 20 mil milhões de dólares entre 2020 e 2022, cujo encaixe será aplicado na redução do passivo e na entrega de um dividendo adicional aos accionistas.

O bloco Área 1 é operado pela Anadarko Moçambique Área 1, Ltd, uma subsidiária controlada a 100% pelo grupo Anadarko Petroleum, com uma participação de 26,5%, a ENH Rovuma Área Um, subsidiária da estatal Empresa Nacional de Hidrocarbonetos, com 15%, Mitsui E&P Mozambique Area1 Ltd. (20%), ONGC Videsh Ltd. (10%), Beas Rovuma Energy Mozambique Limited (10%), BPRL Ventures Mozambique B.V. (10%), and PTTEP Mozambique Area 1 Limited (8,5%).eo

Ler mais
Recomendadas

PremiumFornecedores ganham margem negocial sobre grandes superfícies

Diploma impede distribuição de tirar de forma unilateral dinheiro de contas-correntes com fornecedores. “Era uma prática aberrante”, diz a Centromarca.

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.

Trabalhadores da General Motors em greve a partir de segunda-feira

O sindicato United Auto Workers (UAW), o maior do setor automóvel, marcou hoje uma greve que abrange os cerca de 48 mil trabalhadores do gigante norte-americano General Motors (GM) na primeira paralisação em 12 anos.
Comentários