PEV e PAN defendem que alívio de restrições estão reunidas

“Temos todas as condições para o fazer”, disse Mariana Silva, deputada do PEV, acrescentando que os cuidados individuais e coletivos estão a ser incutidos aos portugueses há um ano e meio.

O partido Os Verdes (PEV) defende que as condições estão reunidas para que o alívio das medidas restritivas aconteça, enquanto que o partido Pessoas Animais Natureza (PAN) espera que existam condições de segurança no regresso ao ano letivo.

“Temos todas as condições para o fazer”, disse Mariana Silva, deputada do PEV, esta terça-feira após a reunião de especialistas do Infarmed, acrescentando que os cuidados individuais e coletivos estão a ser incutidos aos portugueses há um ano e meio. Para a deputada, é necessário “reforçar a ideia de que é necessário manter todos os cuidados até que possamos deixar alguns desses mesmos cuidados para trás”.

Para Inês Sousa Real, líder do PAN, é necessário que no regresso às escolas, no próximo mês de setembro, “exista a capacidade de arejamento, qualidade do ar, distanciamento dos meninos e das meninas nas salas de aula”. Ainda assim, Inês Sousa Real nota que as condições também estão reunidas, sendo necessário manter os cuidados.

A líder do PAN notou que o partido vê com “preocupação” como as medidas de arejamento e qualidade do ar, bem como o distanciamento, vão ser aplicadas nos lares nacionais. Assim, Inês Sousa Real apelou que se reforcem os técnicos de saúde ambiental para se garantir acompanhamento e monitorização nestes espaços”, que deve estar a par com o processo de vacinação.

Recomendadas

Estados Unidos vão enviar mais 500 milhões de doses de vacinas da Pfizer para países desfavorecidos

O negócio amplia um acordo anterior de 500 milhões de doses que as empresas fizeram com os EUA em junho e eleva o número total de doses para mil milhões.

Peritos apostam na vacinação, testagem, medidas sanitárias e gestão de risco

A testagem foi igualmente defendida pela especialista do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto. Neste aspeto, sobressaiu a defesa de um ajuste nas estratégias de testagem, através da “identificação de populações de maior risco e promoção dos testes gratuitos” em locais validados e incluindo grupos vacinados.

Ministro brasileiro obrigado a fazer quarentena nos Estados Unidos

Marcelo Queiroga, responsável pela pasta da Saúde no Brasil, esteve em contacto com pelo menos 30 pessoas no debate na ONU e testou positivo para a Covid-19, apesar de, ao contrário de Jair Bolsonaro, não estar vacinado.
Comentários