PEV vai abster-se na votação do OE2021 na generalidade

O líder parlamentar do PEV, José Luís Ferreira, reconheceu que a proposta do Governo é “insuficiente”, mas espera que o Governo e o Partido Socialista (PS) se mostrem disponíveis para acolher, na especialidade, outras propostas que considera “absolutamente centrais” para dar resposta aos problemas do país.

Manuel de Almeida/LUSA

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) vai abster-se na votação na generalidade do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021). O líder parlamentar do PEV, José Luís Ferreira, reconheceu que a proposta do Governo é “insuficiente”, mas espera que o Governo e o Partido Socialista (PS) se mostrem disponíveis para acolher, na especialidade, outras propostas que considera “absolutamente centrais” para dar resposta aos problemas do país.

“Os Verdes vão-se abster na generalidade, esperando agora que o Governo e o Partido Socialista assumam uma postura de abertura para acolher outras preocupações dos Verdes”, anunciou José Luís Ferreira, em conferência de imprensa.

O PEV já tinha dito que, na reunião com o Governo que teve lugar na passada quarta-feira à tarde, iria “insistir nas propostas que ficaram para trás e que o Governo teima em ignorar” e que, na ótica do partido ecologista, são “propostas importantes”. Isto porque, segundo, José Luís Ferreira, das “25 a 30 propostas” apresentadas pelo PEV nas reuniões com o Governo, apenas “duas ou três” foram contempladas na proposta do Governo.

Entre as propostas que o PEV voltou a levar a discussão e que espera que venham a ser acolhidas na especialidade estão a criação de um fundo de tesouraria para garantir a sobrevivência das micro, pequenas e médias empresas, e a necessidade de se “apostar na nossa produção”, em especial na agricultura familiar. Além disso, o PEV vai insistir na “necessidade de obrigar a exploração de lítio a uma avaliação ambiental estratégica” e no reforço do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Já na lista de propostas que ainda não estão contempladas no OE2021, José Luís Ferreira destacou a exclusão das entidades ligadas a offshores de quaisquer apoios públicos e a remoção do amianto por todo o país nos edifícios públicos. Também os apoios para os trabalhadores que não têm acesso a qualquer tipo de prestação social e o plano ferroviário nacional levantaram várias reticências ao PEV.

“Estas são matérias que para os Verdes são absolutamente centrais na resposta que se exige dar aos problemas do país e dos portugueses e para as quais o Governo não tem dado a devida atenção, como fica visível neste Orçamento do Estado”, sentenciou o líder da bancada do PEV.

O PEV disse ainda que avaliará em função da abertura do Governo para acolher as suas propostas para decidir o sentido de voto na votação final global. “É certo que esta eventual disponibilidade da parte do PS e do Governo para acolher as preocupações que os Verdes não tornarão este Orçamento do Estado num bom Orçamento, mas certamente que poderão torná-lo menos insuficiente face à gravidade da situação que os portugueses e o país enfrenta”, assinalou José Luís Ferreira.

A abstenção do PEV vem juntar-se à abstenção do Partido Comunista Português (PCP), do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) e das duas deputadas não-inscritas Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues. O OE2021 deve, por isso, ser viabilizado na generalizado e passar a discussão na especialidade.

Ler mais
Relacionadas

Em 38 anos de existência, PEV votou sempre de forma igual à do PCP nos Orçamentos do Estado

Apesar de manter o tabu sobre o sentido de voto, ao longo dos seus mais de 38 anos de existência, o PEV acompanhou sempre o seu parceiro de coligação – o PCP – na hora de votar as propostas orçamentais. Sentido de voto será conhecido esta terça-feira.

Com viabilização na generalidade garantida, Parlamento começa a discutir hoje o OE2021

Enquanto o Governo e o Bloco de Esquerda entraram em ruptura, o Parlamento começa a debater na generalidade o Orçamento do Estado para 2021. Responsabilidade política, SNS e apoios às empresas deverão marcar a discussão.

OE2021: BE garante que não quer nenhuma crise política e rejeita ter sido intransigente

“Claro que o Bloco de Esquerda não quer nenhuma crise política e o primeiro-ministro já o disse – e eu acompanho-o – que não é o Orçamento que determina se há ou não uma crise política. Precisamos de ter um Orçamento do Estado que seja capaz de responder ao país”, assegurou a bloquista.

OE2021: PEV anuncia hoje sentido de voto

PEV insistiu, na semana passada, em propostas rejeitadas no OE 2021, tendo Governo sinalizado abertura para algumas. Partido liderado por José Luís Ferreira anuncia nesta terça-feira, 27 de outubro sentido de voto da proposta do Orçamento de Estado, numa altura em que a sua aprovação na generalidade já estará garantida com as abstenções do PCP, PAN e das deputadas não inscritas Cristina Rodrigues e Joacine Katar Moreira.
Recomendadas

“Em matéria de tributação sobre o consumo, este OE tem pouco sabor”, realça Amílcar Nunes, Associate Partner da EY

Amílcar Nunes, Associate Partner da EY, especialista em impostos indiretos analisou na conferência JE/EY sobre o OE2021 a questão da tributação sobre o consumo.

“Taxas? Há aqui a diabolização de setores como o energia, farmacêuticas, bancos”, considera Carlos Lobo, Strategic Advisor da EY

Carlos Lobo, ‘strategic advisor’ da EY, especialista em Taxas e Contribuições Especiais, considerou na conferência JE/EY sobre o OE2021 que este documento orçamental penaliza alguns setores e justificou esta afirmação.

Travão de apoio ao Novo Banco é um “número de circo, mas não viola a Constituição”, diz fiscalista

A anulação da transferência de 476 milhões de euros para o Novo Banco, aprovada no Orçamento do Estado, não é inconstitucional, mas “gerará responsabilidade civil”, disse o antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Rogério Fernandes Ferreira, à Lusa.
Comentários