Pfizer quase deu cabo do dia em Wall Street

A Pfizer cortou para metade a sua meta de distribuição da vacina contra a covid-19, notícia suficiente para atirar os mercados para terreno negativo.

Os principais índices de Wall Street estavam a negociar em alta – atingindo mesmo recordes ao longo do dia – mas a notícia de que a farmacêutica Pfizer cortou para metade a sua meta de distribuição da sua vacina acabou por baralhar as contas. A última hora de negociação foi dramática.

O Dow Jones fechou a somar 0,29%, para os 29.969,52 pontos, depois de ter chegado a negociar nos 30.110,99 pontos; o Standard & Poor’s 500 terminou a ceder 0,06% para 3.666,72 pontos; e o tecnológico Nasdaq Composite terminou a ganhar 0,23% para 12.377,18 pontos, mas chegou a estabelecer um novo recorde, nos 12.439,02 pontos.

Durante o dia, a expectativa de mais estímulos à economia dos Estados Unidos, numa altura em que democratas e republicanos se alinham para tentarem aprovar um novo pacote de ajuda – que terá de passar no Congresso e depois na Casa Branca – continuou a manter algum otimismo junto dos investidores.

Os investidores continuam atentos aos dados do mercado laboral e amanhã serão reportados os dados da criação de emprego em novembro. Será divulgada a taxa de desemprego, que foi de 6,9% em outubro, e a evolução dos salários, que ficaram praticamente estagnados. Os analistas esperam que o desemprego tenha caído ligeiramente em novembro, para 6,8% e que tenha havido um aumento de 481 mil empregos.

Os analistas confirmam que o mercado está demasiado exposto a oscilações, o que quer dizer que os investidores ainda não se habituaram às consequências quer das eleições, quer da confusão política que se vem manifestando no país desde o dia 3 de novembro.

Recomendadas

Wall Street negoceia em alta ligeira de olhos postos nos estímulos económicos

Os investidores em Wall Street estão expectantes quanto ao pacote de estímulos à economia e o plano de vacinação contra a Covid-19 prometido por Joe Biden.

Riscos sobre crescimento da economia da zona euro estão “menos pronunciados”, diz Lagarde

A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, disse esta quinta-feira que as projecções económicas de dezembro se mantêm “válidas” e que os riscos sobre a economia estão “menos pronunciados” devido ao acordo do Brexit e ao início da campanha de vacinação.

Fundos de obrigações da GNB lideraram rentabilidades em 2020

No topo do ‘ranking’ surge o NB Obrigações Europa da GNB Gestão de Ativos. Gerido por Vasco Teles, o produto registou um retorno em 2020 de 13,27%. Quando relacionamos a rentabilidade com o risco, o retorno foi de 1,4%.
Comentários