PGR confirma investigação da venda do Pavilhão Atlântico a genro de Cavaco Silva

Informação foi avançada esta sexta-feira à revista “Sábado”. Luís Montez ganhou o concurso em julho de 2012, comprando o emblemático edifício por 21,2 milhões de euros, metade do que o Estado gastara na sua construção.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou a investigação da venda do Pavilhão Atlântico a Luís Montez, genro de Cavaco Silva. A informação foi dada esta sexta-feira à revista “Sábado”, revela o jornal “SOL”.

“Confirma-se a existência de um inquérito, o qual se encontra em investigação”, indicou a PGR à revista.

De acordo com o “SOL, em 2017, Luís Montez foi considerado por pessoas próximas de José Sócrates e Ricardo Salgado como uma peça importante na luta política, na medida em que podia funcionar como ‘chantagem’ para condicionar o então Presidente da República, Cavaco Silva.

A venda de património da Parque Expo que, na altura, tinha uma dívida de 200 milhões de euros, foi decidida pelo Governo de Passos Coelho. A tutela da Parque Expo pertencia à atual líder do CDS, Assunção Cristas, que ocupava então a pasta de ministra da Agricultura e do Mar, avançando com a venda do Pavilhão Atlântico.

Luís Montez, genro de Cavaco Silva, acabou por ganhar o concurso em julho de 2012, comprando o edifício por 21,2 milhões de euros, metade do que o Estado havia gasto na sua construção.

Recomendadas

Condenação de Lula da Silva tem “quadro probatório suficiente”, afirma Sérgio Moro

O ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil disse esta segunda-feira, em Lisboa, que a condenação do ex-presidente brasileiro tem por base provas suficientes, num misto de delação premiada e provas independentes.

Bancos exigem perto de mil milhões de euros a Joe Berardo

O processo conjunto da CGD, Novo Banco e BCP contra o empresário já está na justiça. As instituições financeiras têm dívidas que justificam a ação de 962 milhões de euros. Além do comendador, são ainda visadas mais três empresas ligadas a si.

Fisco resiste em colaborar no descongestionamento dos tribunais

A Autoridade Tributária e Aduaneira está obrigada a rever, até ao final de 2019, todos os processos que correm nos tribunais fiscais e a anular alguns deles. Apesar de a medida ter entrado em vigor há seis meses, o fisco ainda não respondeu se já comunicou a anulação de alguma decisão tributária.
Comentários