PGR confirma investigação da venda do Pavilhão Atlântico a genro de Cavaco Silva

Informação foi avançada esta sexta-feira à revista “Sábado”. Luís Montez ganhou o concurso em julho de 2012, comprando o emblemático edifício por 21,2 milhões de euros, metade do que o Estado gastara na sua construção.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou a investigação da venda do Pavilhão Atlântico a Luís Montez, genro de Cavaco Silva. A informação foi dada esta sexta-feira à revista “Sábado”, revela o jornal “SOL”.

“Confirma-se a existência de um inquérito, o qual se encontra em investigação”, indicou a PGR à revista.

De acordo com o “SOL, em 2017, Luís Montez foi considerado por pessoas próximas de José Sócrates e Ricardo Salgado como uma peça importante na luta política, na medida em que podia funcionar como ‘chantagem’ para condicionar o então Presidente da República, Cavaco Silva.

A venda de património da Parque Expo que, na altura, tinha uma dívida de 200 milhões de euros, foi decidida pelo Governo de Passos Coelho. A tutela da Parque Expo pertencia à atual líder do CDS, Assunção Cristas, que ocupava então a pasta de ministra da Agricultura e do Mar, avançando com a venda do Pavilhão Atlântico.

Luís Montez, genro de Cavaco Silva, acabou por ganhar o concurso em julho de 2012, comprando o edifício por 21,2 milhões de euros, metade do que o Estado havia gasto na sua construção.

Recomendadas

PremiumTomás Correia impugna condenação do Banco de Portugal

O atual presidente da Associação Mutualista Montepio Geral entregou no fim de maio no Tribunal de Santarém a ação de impugnação do processo de contraordenação que aplicou uma multa de 1,25 milhões. O Jornal Económico sabe a juíza aceitou a ação de impugnação e, “ao contrário do Ministério Público vai chamar testemunhas”, diz fonte conhecedora do processo.

Funcionários do Tribunal Central estão presos no elevador

Três funcionários judiciais do Tribunal Central de Instrução Criminal estão presos, há uma hora, no elevador do edifício.

“Jorge Jesus não deu consentimento para a entrada dos adeptos em Alcochete”, diz advogado do treinador

Em declarações ao Jornal Económico, Luís Miguel Henrique, responde às afirmações do advogado de um dos arguidos no processo, que esta segunda-feira referiu ter sido o técnico a permitir a entrada dos adeptos na Academia de Alcochete, e não Bruno de Carvalho.
Comentários