Pharol afunda mais de 13% na bolsa de Lisboa

As ações da empresa afundam 13,14% para 0,1216 euros, o que corresponde ao valor mais baixo desde julho de 2016.

Luís Palha da Silva, CEO da Pharol

Os títulos Pharol está a desvalorizar 13,14% na bolsa portuguesa, depois de ter sido noticiado que o Banco Comercial Português (BCP) quer que as ações da High Bridge na da gestora de participações sejam vendidas.

As ações da empresa liderada por Luís Palha da Silva estão a afundar 13,14% para 0,1216 euros, o que corresponde ao valor mais baixo desde julho de 2016.

A High Bridge detém uma participação na Pharol, correspondente a quase 10% do seu capital, mas depois do BCP ter adquirido o direito de propriedade na segunda-feira, 12 de agosto, as ações da Pharol, que foram dadas como colateral, deverão ser vendidas. O cenário surge na sequência da High Bridge Unipessoal ter entrado em incumprimento do empréstimo celebrado pelo banco liderado por Miguel Maya.

[Dados das cotações, 09h22]

BCP quer vender as ações da Pharol

Ler mais

Relacionadas

Bolsa de Lisboa abre em baixa condicionada pelas perdas da Europa

A bolsa nacional manter-se condicionada pelos mercados europeus. Doze cotadas estão a negociar em baixa e seis em alta.
Recomendadas

Galp, BCP e CTT penalizam PSI 20 que acompanha Europa em queda a meio da sessão

Os mercados bolsistas acentuam as perdas registas desde o início da sessão desta sexta-feira.

PSI 20 acompanha Europa com arranque de sessão em baixa

A bolsa de Lisboa arrancou as negociações desta sexta-feira a deslizar 0,08%, para 4.475,61 pontos. O principal índice nacional está a ser penalizado pelas perdas do BCP, CTT e Sonae.

Wall Street continua à espera dos estímulos que tardam em aparecer

Nem a diminuição dos pedidos de novos subsídios de desemprego foi suficiente para fazer aumentar as cotações – com a exceção do Nasdaq. Os estímulos à economia para combater a pandemia continuam ‘encalhados’ entre democratas e republicanos.
Comentários