PIB dos Estados Unidos recua 5% no primeiro trimestre

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos caiu 5% no primeiro trimestre de 2020, sob efeito da pandemia da Covid-19, de acordo com uma segunda estimativa divulgada esta quinta-feira pelo Departamento do Comércio.

Nova Iorque, Estados Unidos | Spencer Platt/Getty Images

A queda do PIB foi maior do que o referido inicialmente, uma vez que a primeira estimativa indicava uma contração a um ritmo anual de 4,8%.

Apesar de o primeiro trimestre refletir já parte do impacto da crise causada pela pandemia, os analistas antecipam que o recuo da economia será maior no segundo trimestre.

O Departamento do Comércio anunciou também que as encomendas de bens duradouros caíram 17,2%, em abril, a segunda redução mensal consecutiva, devido à paragem da atividade associada às medidas de confinamento para conter a pandemia de covid-19.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 355 mil mortos e infetou mais de 5,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (mais de 100 mil) e mais casos de infeção confirmados (cerca de 1,7 milhões).

Recomendadas

Abertos concursos para escolas contratarem 800 novos técnicos especializados

As escolas vão poder contratar mais de 800 novos técnicos especializados no âmbito do plano de desenvolvimento pessoal, social e comunitário, lançado recentemente, e tendo como finalidade o próximo ano letivo”, lê-se num comunicado hoje divulgado pelo Ministério da Educação.

Portugal com 213 casos de infeção e três mortes por Covid-19

Região de Lisboa e Vale do Tejo regista o número mais elevado de infeções ao dia de hoje, tendo confirmado mais 1447 casos em relação aos dados da véspera. O número de casos recuperados em Portugal aumentou para 37.840.

Durão Barroso considera que Fundo de Recuperação acordado em Bruxelas é “uma orgia financeira”

O antigo presidente da Comissão Europeia Durão Barroso defende que a Portugal terá de fazer uma boa gestão dos fundos comunitários e que a Assembleia da República deve reforçar o seu papel de fiscalização sobre a sua aplicação.
Comentários