Pior natalidade em 50 anos. Nasceram menos 4.500 bebés no primeiro semestre do ano

Até junho de 2021, os nascimentos ficaram ainda abaixo dos valores de 2014, voltando agora a registar-se o pior semestre em termos de natalidade dos últimos 50 anos.

No primeiro semestre de 2021 nasceram 37.675 bebés em Portugal, o que representa menos 4.472 nascimentos que no ano passado, revelam os dados do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA). Até junho de 2021, os nascimentos ficaram ainda abaixo dos valores de 2014, voltando agora a registar-se o pior semestre em termos de natalidade dos últimos 50 anos.

Em 2014, a crise económica sentida na altura fez com que tivessem nascido 38.808 bebés nos primeiros seis meses do ano. Agora, estima-se que a crise pandémica – aliada ao sentimento económico – faça cair a natalidade no final do ano.

Entre janeiro e junho de 2020, tinham sido submetidos ao teste do pezinho, 42.149 bebés.

Os dados recolhidos pelo INSA mostram que o maior número de bebés rastreados se observou nos distritos de Lisboa, com 11.208, e do Porto, com 7.008 testes efetuados, seguidos do distrito de Braga, com 2.765 testes. Por outro lado, Bragança (253), Portalegre (269) e Guarda (282) foram os distritos com menos recém-nascidos.

Recomendadas

Covid-19: 180 mil professores e trabalhadores não docentes testados nas escolas

Segundo o Ministério da Educação, teve início esta segunda-feira, 20 de setembro, a segunda fase da operação de testagem que se prolonga até 1 de outubro e envolve os alunos do ensino secundário, seguindo-se os alunos do 3.º ciclo.

Portugal com mais 306 casos de Covid-19 e sete mortes

Boletim da DGS dá esta segunda-feira conta de mais 604 pessoas recuperadas da doença causada pelo vírus SARS-CoV-2.

“PRR na campanha autárquica? É gravíssimo e só demonstra a falta de vergonha do PS”, considera candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considerou “gravíssima” a entrada do Plano de Recuperação e Resiliência na campanha eleitoral, algo que no entender deste consultor, “só demonstra a falta de vergonha” dos socialistas.
Comentários