Pirataria eletrónica: impactos económicos e sociais

A pirataria online tem ganho ao longo dos tempos maior relevância na agenda dos conselhos de administração das empresas de telecomunicações e media. A música e a produção de filmes foram os primeiros a sofrerem com a pirataria em larga escala através da internet. A mensuração dos custos económicos e sociais da pirataria não é […]

A pirataria online tem ganho ao longo dos tempos maior relevância na agenda dos conselhos de administração das empresas de telecomunicações e media. A música e a produção de filmes foram os primeiros a sofrerem com a pirataria em larga escala através da internet. A mensuração dos custos económicos e sociais da pirataria não é uma tarefa fácil, mas a perceção de que são cada vez mais elevados tem feito com que não só as entidades diretamente afetadas, como alguns Governos e Reguladores efetuem ações no sentido de protegerem o setor.

As formas mais usuais de pirataria consistem no cardsharing (partilha não autorizada dos direitos dos cartões das boxes) e no streaming (disponibilização indevida de conteúdos audiovisuais, via internet, sem autorização do seu titular) que por serem atos ilegais, os Reguladores, a UE e os Governos, têm vindo a criar legislação específica para punir os infratores.

A pirataria leva a que exista: perda de receita para o setor (produtores/detentores de conteúdos e operadores telco), com a consequente redução do seu valor acrescentado, investimento e emprego; e perda de receita para Estado, via redução da cobrança de impostos, essencialmente em IRC e IVA.

Alguns estudos efetuados nos EUA e na Europa (França, Reino Unido e Polónia) demonstram que não existe por parte do consumidor comum a consciência da ilegalidade do ato. Assim, para garantir uma estratégia de sucesso contra a pirataria eletrónica, será necessário um envolvimento devidamente balanceado por todos os stakeholders, o que implicará: i) um maior foco na sensibilização dos utilizadores finais, através de ações que permitam promover a consciencialização e o conhecimento do consumidor das consequências dos atos de pirataria; e ii) um aumento na punição daqueles que ganham com a pirataria, quer criando leis punitivas, quer reduzindo a perceção de que estes atos ilegais não são punidos.

Em Portugal, já foram efetuadas algumas estimativas mas ainda falta um estudo completo sobre a avaliação dos custos com a pirataria, facto que se deve não só à complexidade na definição das variáveis a estudar, como à dificuldade de todos os stakeholders terem interesses comuns numa ação de combate à mesma. Efetivamente, a definição de um plano de longo prazo com uma estratégia holística e efetiva é imprescindível, mas o seu sucesso dependerá da estreita colaboração entre stakeholders.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Como construir (n)o futuro

A construção é um setor com uma cadeia de valor fragmentada o que torna a mudança mais desafiante. No entanto, com a necessidade de sustentabilidade ambiental, a digitalização, a industrialização, a escassez de mão de obra e a pressão sobre os preços, as empresas de construção têm de rever a sua estratégia para continuar a prosperar numa indústria que está a mudar rapidamente.

A Proposta de Lei do OE para 2022: reflexões sobre o impacto no setor da saúde

Na sequência da apresentação da Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2022 (OE22), fazemos uma breve reflexão sobre os principais impactos das medidas propostas (ou a falta delas) ao nível do setor da saúde.

Regresso a um futuro de difícil projeção

No final de julho de 2021, de acordo com dados divulgados pelo Banco de Portugal, o montante global de empréstimos abrangidos por moratórias era de 36,8 mil milhões de euros.
Comentários