PremiumPlano do Montepio prevê saída de 300 pessoas até ao fim do ano

Banco propõe pagar 1,3 salários por cada ano de antiguidade no plano de reestruturação. Envio de planos ao Banco de Portugal cria tensão no conselho de administração.

O plano de reestruturação do Banco Montepio prevê a saída de 300 pessoas até ao final do ano e, para os trabalhadores que saiam por mútuo acordo, ser-lhes-á oferecida uma indemnização correspondente a 1,3 salários por cada ano de antiguidade, apurou o Jornal Económico junto de fonte próxima ao processo.

O Jornal Económico (JE) também apurou que este plano foi enviado ao Banco de Portugal (BdP) este mês pela comissão executiva do Montepio, liderada por Pedro Leitão, juntamente com o plano de financiamento e de capital, prevendo a redução de 800 pessoas no triénio 2020-2022, por rescisões por mútuo acordo e reformas antecipadas.

Em cima da mesa, e fora do âmbito da redução de pessoal, está também a implementação da redução do tempo de trabalho de menos um dia por semana ou menos sete horas por semana. O banco está a ser assessorado pela SRS Advogados.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumVenda do BNI Europa retomada

Processo de venda do BNI Europa ainda está numa fase inicial, mas já há interessados que sondaram o acionista angolano.

Novo Banco nega “divergências estratégicas” na administração

Na sequência de uma notícia publicada na semana passada pelo Jornal Económico, sobre a saída dos administradores Vítor Fernandes, José Eduardo Bettencourt e Jorge Cardoso, o jornal ‘Público’ avança hoje com uma notícia em que justifica essa decisão com a existência de “um profundo debate de ideias” no seio da administração liderada por António Ramalho, que foi reconduzido no cargo esta semana.

KPMG Portugal “refuta vigorosamente a condenação” da CMVM

A KPMG diz que a acusação “evidencia falhas graves da CMVM na aplicação da lei e na interpretação das normas de auditoria”.
Comentários