PremiumPlenário dos motoristas vai discutir adiamento da greve

Hipótese de adiar greve para depois de agosto vai ser levada a apreciação dos associados dos sindicatos que reúnem amanhã em plenário.

A hipótese de adiamento da greve marcada para 12 de agosto para depois das férias de verão dos portugueses vai ser levada à apreciação dos associados dos sindicatos dos motoristas que se reúnem amanhã, sábado, em plenário, em Aveiras. Outras hipóteses serão também analisadas pelos cerca de 2.000 associados como o mecanismo de mediação, proposto pelo Governo, e eventual contraproposta dos patrões que possa ser apresentada pelos patrões até esta sexta-feira, 9 de agosto, prazo dado pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) e Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) para a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) voltar à mesa das negociações.

“Todas as hipóteses estão em cima da mesa e vão ser levadas à apreciação dos associados no plenário conjunto marcado para este sábado para decidirem sobre o levantamento ou manutenção da greve”, afirma ao Jornal Económico Anacleto Rodrigues, porta-voz do SIMM. No entanto, o mesmo dirigente acrescenta que os associados poderão inviabilizar o adiamento, na sequência das recentes declarações de membros do Governo e do Presidente da República.

“Os ânimos ficaram ainda mais acicatados depois dos serviços mínimos decretados pelo Governo, que são um atentado à lei da greve”, diz Anacleto Rodrigues. Os serviços mínimos levaram também o vice-presidente dos SNMMP, Pedro Pardal Henriques, a defender que a greve “é para manter”. Um aviso que surge antes de serem ouvidos os associados, que tomarão amanhã a decisão final em plenário.

Anacleto Rodrigues revela que neste sábado, 10 de agosto, “vão ser discutidas várias hipóteses”, acrescentando que “uma delas é a de suspensão da greve para data posterior”. “Não é desconvocar, mas adiar para dar mais tempo à Antram. Uma hipótese que levaria à marcação de nova data, que teria sempre de ser definida em plenário”, realça o sindicalista. Anacleto Rodrigues acrescenta que “a missão dos dirigentes é explicar aos associados tudo o que está em causa para tomarem uma decisão mais consciente”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Postos de abastecimento estão preparados para responder à procura

ANAREC considera os serviços mínimos ajustados e garante que os postos de abastecimento estão preparados.
pedro_pardal_henriques_vice_presidente_francisco_são_bento_presidente_SNMMP

Pardal Henriques: Sábado é “última oportunidade” para desconvocar greve

Em conferência de imprensa, o rosto mais visível da greve – que não foi desmarcada – insistiu num argumentário que tem usado nas semanas mais recentes.

Greve de motoristas: PSD alerta para “exercícios desproporcionados de autoridade”

O PSD “estranha a forma excessiva como se tem exposto perante a opinião pública no anúncio de medidas coercivas e de salvaguarda do funcionamento daqueles serviços”.

Greve de motoristas: Governo já está a analisar parecer da PGR sobre a legalidade da paralisação

Este parecer, solicitado ao Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República visava perceber se existia algum constrangimento legal que pudesse pôr em causa esta paragem sem tempo definido dos motoristas de matérias perigosas.

Quantos motoristas estavam de férias em agosto de 2018? SIMM pede mapas de 2018

De acordo com o SIMM, as percentagens de serviços mínimos (100%, 75% e 50%) “só poderão ser calculadas e incidir sobre o número de motoristas que estavam no ativo e em exercício de funções, a partir do dia 12 de agosto, dado que o despacho (…) fixou esta contabilização em face do “período homólogo”.

Serviços mínimos têm de proteger funcionamento básico da economia, defende Santos Silva

“Fixámos os serviços mínimos em termos que garantem o direito à greve mas protegem os portugueses e infraestruturas críticas para a segurança e bem-estar dos portugueses aos efeitos desta greve”, sustentou o ministro.
Recomendadas

PremiumFlixbus, a “Uber dos autocarros”, já tem 140 mil clientes em Portugal

A empresa só entrou em Portugal em 2017, mas já liga por autocarro mais de 20 cidades nacionais a mais de 50 destinos externos. Pablo Pastega quer a abertura do mercado de ‘Expressos’.

PremiumChina compra dois terços do petróleo angolano

China importou dois terços do petróleo de Angola. Espanha foi o terceiro maior importador, à frente dos EUA, e Portugal foi o 8º maior comprador.

PremiumTurquia volta a ameaçar os curdos

Com Erdogan a perder força, o presidente quer lançar um ataque contra os que costumam pagar as desavenças internas.
Comentários