Poiares Maduro compara Luanda Leaks com caso Rui Pinto: “Qual a razão para certos leaks poderem ser livremente usados e outros não?”

O ex-ministro veio a público colocar uma “pergunta desconfortável”, comparando o processo de Isabel dos Santos ao de Rui Pinto.

Miguel Poiares Maduro questionou a forma como estão a ser utilizados os documentos do Luanda Leaks, comparando-o ao processo do Football Leaks, que envolve o hacker português Rui Pinto.

“Pergunta desconfortável: qual a razão para certos leaks poderem ser livremente usados e outros não? Alguém me explica o critério por detrás do diferente tratamento que diferentes leaks têm em Portugal?”, questionou o ex-ministro adjunto e do Desenvolvimento Regional do Governo de Passos Coelho.

O Luanda Leaks revelou 715 mil documentos, de um consórcio de jornalistas de investigação, que mostram como Isabel dos Santos construiu a sua fortuna à custa do Estado de Angola. A empresária Isabel dos Santos diz que a investigação se baseia em “documentos e informações falsos” e é coordenada pelo Estado de Angola, de quem acusa de fazer um “ataque político”.

Em entrevista à “RTP3” no dia 9 de janeiro, Miguel Poiares Maduro mostrou-se preocupado pela forma como em Portugal o processo do hacker Rui Pinto está a ser conduzido.  “A única preocupação e aspeto que está a ser investigado é a própria prática de crimes por Rui Pinto e se parece ignorar tudo o que está à volta”, afirmou.

Miguel Poiares Maduro mostrou também preocupação pela imagem que o Ministério Público está a transmitir para o panorama internacional. “Se lermos o que a imprensa internacional diz, a perceção é de que em Portugal, aquilo que pode estar em causa com o Rui Pinto são interesses poderosos que o país não gosta de colocar em causa”.

 

Ler mais
Relacionadas

Isabel dos Santos: Angola escolheu um caminho em que “todos vão ficar a perder”

A empresária angolana Isabel dos Santos considerou hoje à televisão BBC, reagindo às acusações da ‘Luanda Leaks’, que “todos vão ficar a perder” devido às investigações, lamentando “que Angola tenha escolhido este caminho”.

Isabel dos Santos diz que Luanda Leaks é baseado em documentos falsos e coordenado por governo de Angola

O Luanda Leaks revelou 715 mil documentos, de um consórcio de jornalistas de investigação, que mostram como Isabel dos Santos construiu a sua fortuna à custa do Estado de Angola.

Miguel Poiares Maduro: “Rui Pinto? Única preocupação é investigar a prática de crimes e ignorar o que está à volta”

O antigo presidente do Comité de Governação da FIFA mostra também preocupação pela imagem que o Ministério Público está a transmitir para o panorama internacional. “A perceção é de que em Portugal, aquilo que pode estar em causa com o Rui Pinto são interesses poderosos que o país não gosta de colocar em causa”, refere.
Recomendadas

Lesados do Banif vão exigir indemnização de 250 milhões à TVI

Associação de lesados aguarda desfecho do julgamento da TVI para avançar com ação cível contra a estação com pedido de indemnização milionária.

Ordem dos Advogados: Conselho Regional de Lisboa pede isenção de três meses no pagamento das quotas

O conselho que reúne mais de metade dos 32 mil advogados inscritos na Ordem pede auxílio financeiro para mitigar os efeitos que o novo coronavírus traz ao rendimento mensal de muitos destes profissionais.

Estado de emergência: Presidente do STJ apela a “respeito cívico” para “evitar que seja alargado”

Presidente do Supremo Tribunal diz que medida decretada pelo Chefe de Estado “é necessária” para atribuir ao Governo “poderes excecionais para limitar direitos e liberdades e impor comportamentos à sociedade” para conter a propagação do Covid-19. António Piçarra apela ao “respeito cívico” pelo estado de emergência para evitar que “seja alargado além do estritamente necessário” e assegura que Estado de Direito e a ordem constitucional “não estão suspensos”.
Comentários