Polí… quê? polímatas vão ser os profissionais mais procurados do futuro

Os trabalhadores mais valiosos não serão engenheiros nem programadores, serão as pessoas com grandes conhecimentos técnicos, simultaneamente, capazes de compreender as necessidades da empresa e dos seus clientes.

Teria um génio como Leonardo Da Vinci ficado na história se tivesse nascido na nossa era? As mentes de Copérnico ou Francis Bacon teriam brilhado no mundo atual, tão marcado pela especialização?

Nos últimos dois séculos, a hiperespecialização tem sido a palavra-chave na sociedade ocidental, o que torna raras as pessoas que se destacam, simultaneamente, por exemplo, na ciência e nas artes. Mas algo está a mudar. Com efeito, um estudo realizado pela espanhola Deusto Business School e pela empresa de inovação 3M, agora divulgado, conclui que dominar várias áreas é a chave para inovar, condição indispensável para ser bem-sucedido na era digital.

“Num cenário acelerado, em que a cada 10 anos se duplica a produção científica, a polimatia parece fazer um novo sentido”, afirma o estudo.

Por polimatia entende-se “a capacidade de alcançar a excelência em duas ou mais áreas de conhecimento pertencendo a expressões diferentes do génio humano, com uma combinação de estruturas que podem proceder de campos tão diversos como as artes, as ciências, os negócios, o desporto, a tecnologia ou as humanidades.”

Neste contexto, conclui-se que “os trabalhadores mais valiosos do futuro não serão os melhores engenheiros ou programadores, serão os polímatas”. Isto é, as pessoas com grandes conhecimentos técnicos, mas também capazes de compreender as necessidades da empresa e dos seus clientes.

A inovação requer um aprofundamento do chamado “efeito Medici”, que procura inovações nas interseções de setores e disciplinas, sublinha Francisco González-Bree, professor de inovação da Deusto Business School e coautor do estudo.

Ler mais
Recomendadas

PremiumApostar na formação para se poder reindustrializar

O redirecionamento do ensino para colmatar as novas necessidades do mercado de trabalho terá um papel fundamental na reindustrialização portuguesa. A mão de obra que é menos cara noutros países poderá ser um problema.

PremiumComo será o futuro do emprego pós-Covid?

As empresas vão continuar a recorrer a profissionais mais qualificados e o número de trabalhadores a recibos verdes vai aumentar. “Na formação de nível superior, a licenciatura de Bolonha é claramente insuficiente para grande parte das empresas”, afirma o professor António Almeida.

Candidaturas a 51 mil vagas no ensino superior começam hoje

As instituições de ensino superior do Porto poderão ter mais alunos nas áreas das engenharias enquanto em Lisboa o aumento registou-se nas competências digitais, segundo dados disponibilizados pela Direção-Geral do Ensino Superior (DGES).
Comentários