Polícia dos EUA utilizou “força excessiva” 125 vezes nos dez dias após a morte de George Floyd, diz AI

O relatório de 68 páginas, baseado em entrevistas com mais de 50 pessoas que participaram nos protestos do movimento ‘Black Lives Matter’, sugere que a polícia frequentemente empregava químicos e balas de borracha indiscriminadamente, e como primeiro recurso.

Getty Images

O relatório elaborado pela Amnistia Internacional concluiu que as forças policias dos Estados Unidos utilizaram “força excessiva” por 125 ocasiões distintas nos 10 dias que se seguiram à morte de George Floyd. Segundo o “Business Insider”, os abusos variam entre o uso ilegal de gás pimenta, espancamentos e o disparo indiscriminado de projéteis “menos letais”.

O relatório de 68 páginas, baseado em entrevistas com mais de 50 pessoas que participaram nos protestos do movimento ‘Black Lives Matter’, sugere que a polícia frequentemente empregava químicos e balas de borracha indiscriminadamente, e como primeiro recurso.

Ernest Coverson, gerente de campanha de violência armada da Amnistia Internacional, afirma em comunicado que “o uso desnecessário e às vezes excessivo da força pela polícia contra os manifestantes demonstra o racismo e a impunidade sistemática que levou as pessoas às ruas para protestar”.

Aqueles que tentaram documentar a resposta da polícia aos protestos também não foram poupados. Linda Tirado, jornalista freelancer entrevistado pelo “Business Insider” perdeu um olho depois de ser atingido por um projétil “menos letal” enquanto cobria a agitação civil em Minneapolis, Minnesota.

Justin Mazzola, investigador da Amnistia Internacional, comenta que “as ações do presidente Trump representam uma inclinação escorregadia em direção ao autoritarismo e devem parar imediatamente. Mas a reforma é necessária não apenas no nível federal, afirma o relatório, observando que apenas três estados – Califórnia, Washington e Missouri – aprovaram legislação que limita o uso da força letal pela polícia.

Relacionadas
Black lives matter, george floyd

Estados Unidos: Florida ameaça chamar proprietários de armas para acalmar manifestações

O condado de Clay tem sido palco de protestos violentos nas últimas semanas. O xerife do estado de Florida ameaçou que poderá destacar os proprietários de armas para acalmar os manifestantes.

Chega “promove ativamente o racismo e a xenofobia”. SOS Racismo critica manifestação de sábado

Segundo o SOS Racismo “vários dirigentes do Chega, como o caso de Luís Filipe Graça, Nelson Dias da Silva ou Tiago Monteiro, conhecidos pelas suas participações em movimentos neonazis e pelas ligações a criminosos já condenados pelos tribunais”, estiveram também no desfile.

Trump envia mais polícias para as ruas das cidades norte-americanas para conter protestos

Desde a morte, no dia 25 de maio, de George Floyd, sob custódia policial em Minneapolis, tem havido vários protestos contra a violência policial nas maiores cidades dos Estados Unidos, incluindo Nova Iorque, Filadélfia, Los Angeles, ou Chicago.

Amnistia Internacional: Controlo das regras de confinamento expõe discriminação racial entre polícias da Europa

As comunidades negras e ciganas, os refugiados, requerentes de asilo e migrantes em campos e alojamentos e os sem-abrigo foram alvo de discriminação durante o período de isolamento obrigatório decretado em toda a Europa. A Amnistia Internacional denuncia situações de preconceito racial conduzidas pela polícia em 12 países europeus.
Recomendadas

Goldman Sachs deve cortar 1% dos postos de trabalho

Com a crise pandémica, a situação dos bancos deteriorou-se e a necessidade de revitalizar ou assegurar equilíbrio tem levado, muitas vezes, a despedimentos nestas instituições.

EUA: adiamento da votação do Congresso dá esperança à aprovação de novo pacote de estímulos

Depois de meses de impasse, a Câmara dos Representantes, de maioria democrata, decidiu não votar um pacote que estava condenado ao fracasso quando subisse ao Senado, de maioria republicana. O adiamento é visto como um sinal de avanços nas negociações entre Nancy Pelosi e Steve Mnuchin, ou seja, entre os democratas do Congresso e a Casa Branca.

3.800 euros: Genebra vai pagar o salário mínimo mais elevado do mundo

Os 500 mil eleitores da cidade suíça aprovaram o salário mínimo proposto pelos sindicatos locais e partidos de esquerda, depois de já terem sido rejeitados duas vezes em 2011 e 2014. Medida entra em vigor a partir de 17 de outubro.
Comentários