Policia Judiciária deteve 37 pessoas em Portugal por branqueamento de capitais

Trinta e sete pessoas foram detidas em Portugal no âmbito de uma megaoperação da Europol contra a lavagem de dinheiro, entre setembro e novembro, e que envolveu 31 países.

Cristina Bernardo

Em conferência de imprensa, o coordenador da Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e a Criminalidade Tecnológica (UNC3T), referiu que em Portugal foram ainda apreendidos oito milhões de euros em contas bancárias e 330 mil euros em dinheiro.

Carlos Cabreiro explicou que este é um fenómeno internacional com cerca de sete a oito anos que assola vários países tratando-se de crime organizado.

“Temos uma certeza nesta área criminal. Não estamos a falar de atos isolados, estamos a falar de redes criminosas”, disse adiantando que surgem portugueses quer na cupula quer como recrutadores.

A EUROPOL anunciou hoje que cerca de 200 pessoas foram detidas e mais de três mil pessoas que transportavam dinheiro foram identificadas numa megaoperação da Europol contra a lavagem de dinheiro, entre setembro e novembro, e que envolveu 31 países, incluindo Portugal.

Da quinta operação desta natureza, segundo um comunicado de imprensa da agência europeia de polícia (Europol), resultou a identificação de 3.833 ‘mulas’ de dinheiro, bem como de 386 angariadores, dos quais 228 foram detidos.

Uma ‘mula’ de dinheiro é o nome dado a um correio humano usado para despistar transferências de dinheiro internacionais com origem em atividades criminosas.

Foram abertas 1.025 investigações, precisando a agência que “muitas estão ainda a decorrer”, tendo sido evitadas perdas “no valor de 12,9 milhões de euros”.

Ainda segundo a Europol, mais de 650 bancos, 17 associações bancárias e outras instituições financeiras colaboraram na deteção de 7.520 transações fraudulentas.

Além das autoridades policiais de 31 países, colaboraram na operação de combate ao branqueamento de capitais a Eurojust (unidade de cooperação judicial da União Europeia) e a Federação Europeia de Bancos, que integra a Associação Portuguesa de Bancos.

Em conferência de imprensa Carlos Cabreiro explicou que esta atividade criminal assola todos os países, não sendo Portugal um oásis para esta atividade, procurando a Polícia Judiciária unir todos os esforços para combates estas situações.

Ler mais
Relacionadas

Portugal entre os países onde a Europol realizou megaoperação de combate à lavagem de dinheiro

Mais de 650 bancos, 17 associações bancárias e outras instituições financeiras reportaram 7.520 transações de dinheiro fraudulentas, ajudando a impedir a perda de 12,9 milhões de euros.
Recomendadas

Filho de empresário José Guilherme nega dívida ao Finibanco Angola

Neste comunicado, Paulo Guilherme realça que subscreveu unidades de participação da Caixa Económica Montepio Geral e que “frustrada a expectativa inicial de valorização das unidades de participação, as mesmas acabaram por ser vendidas em mercado com enorme prejuízo pessoal”.

Rui Pinto vai a julgamento acusado de 93 crimes

O alegado pirata informático estava indiciado por 147 crimes mas vai ser julgado por 93 delitos. Rui Pinto mantém-se em prisão preventiva.

“Fez-se justiça”, diz Ana Gomes sobre decisão de tribunal que lhe deu razão em processo movido por Isabel dos Santos

Ana Gomes escreveu nas redes sociais que Isabel dos Santos se endivida muito “porque, ao liquidar as dívidas, ‘lava-se que se farta’”. Empresária angolana avançou para tribunal a exigir cinco mil euros por cada dia em que a publicação continuasse online. Tribunal deu agora razão à ex-eurodeputada, defendendo que esta tem o direito ao escrutínio dos negócios da filha do antigo presidente de Angola.
Comentários