Polígrafo de maçons

Como Rui Rio, considero importante saber se um homem público, que se propõe liderar um grande partido e, por extensão, arriscar-se a governar um país, é verdadeiramente livre, dono da sua ação

No primeiro debate da campanha pela liderança do PSD, Rui Rio ligou o detector de maçons. As respostas que obteve foram, são, elucidativas.

O candidato Pinto Luz confirmou ter pertencido. Segundo ele, entrou jovem e saiu mal passou a exercer funções públicas.

Ao contrário de Pinto Luz, o outro candidato que concorre com Rui Rio, Luís Montenegro, ex-líder parlamentar do PSD, reconheceu ter estado presente numa reunião mas voltou a negar o que já foi confirmado pelo site “Polígrafo”, a 17 de janeiro deste ano de 2019 e com a assinatura do jornalista Fernando Esteves. À pergunta “Luís Montenegro pertenceu à poderosa loja maçónica Mozart?”, o site, que tem uma extensão e programa semanal na SIC, respondeu inequivocamente “Sim”.

Os factos, para quem se interessa por estas coisas da verificação do que se diz e faz, essencial para a existência de uma Democracia saudável e de uma comunicação social credível, parecem claros. Montenegro terá sido iniciado na loja Mozart em 2008, à qual pertenceram Nuno Vasconcelos, da defunta Ongoing, também Agostinho Branquinho (contratado pela mesma ex-poderosa organização quanto era deputado do PSD para dirigir a operação no Brasil) entre outros nomes conhecidos da política, vida empresarial e espionagem cujo elo de lógica de relacionamento pode ser encontrado facilmente a partir de pesquisas no Google.

Esta loja, considerada muito ativa e poderosa, foi desativada no momento da condenação de Jorge Silva Carvalho, o famoso espião que também foi figura importante da Ongoing, uma organização em tons de laranja que conviveu bem com o período de poder de José Sócrates.

As respostas díspares de Pinto Luz e Luís Montenegro são obtidas a partir da insistência de Rui Rio, que é tudo menos ingénua e que pretende separar as águas no PSD. Para além da ambição dos protagonistas, e das suas diferenças políticas e de estratégia, Rui Rio quer obviamente realçar um ponto: ele será um homem livre, apenas sujeito às suas ideias e à sua cabeça. Ao invés, os seus adversários, maçons, ex-maçons, convictos ou envergonhados, serão homens hipotecados a lealdades sombrias e a obediências necessárias.

O tema continua incómodo. Em poucas horas vi pessoas, algumas das quais jornalistas, a tentar desvalorizar o tema que Rui Rio colocou em cima da mesa.

Para mim, ao contrário, é muito importante.

E, de forma instantânea, fez-me recordar uma conversa que tive com Mário Soares, algures em 2012/2013, uma tarde na sua Fundação. Tinha havido um encontro cultural, no qual fora orador Rui Moreira, agora presidente da Câmara do Porto, e falara-se, já não me recordo porquê, da maçonaria. No final, tendo-se proporcionado, perguntei a Mário Soares, agora no seu gabinete, se poderia responder-me a uma curiosidade pessoal, que considerava, além do mais, talvez melindrosa. Tendo recebido sinal verde para avançar, disparei-lhe: “É verdade que pertence à maçonaria?” A resposta foi pronta e pautada pelo sorriso: “Acho que não”. E explicou-me. Aderira, de facto, à maçonaria no período de resistência ao fascismo, porque entendera isso útil para o seu combate político, mas já não frequentava reuniões “há mais de 30 anos”. Perguntei-lhe porquê e guardo as suas palavras curtas: “Porque, depois de me tornar primeiro-ministro, percebi que queriam mandar em mim”.

Se recordo este episódio é porque, como Rui Rio, considero importante saber se um homem público, que se propõe liderar um grande partido e, por extensão, arriscar-se a governar um país, é verdadeiramente livre, dono da sua ação; se no século XXI, em Democracia, é coisa de somenos pertencer a uma organização semi-secreta.

Como vimos pelas respostas, Pinto Luz e Luís Montenegro, de forma radicalmente diferente, entendem ser-lhes útil negar quaisquer ligações à maçonaria. Pinto Luz reconhece que um homem em cargos públicos deve estar longe de qualquer loja. Montenegro, aceitando apenas ter estado presente numa reunião, também nos sugere o mesmo. Politicamente é igual. Quanto ao caráter é que pode ser diferente. Mas disso cuidarão, por agora, os eleitores do PSD.

Recomendadas

A porta que Marcelo abriu

Marcelo reconciliou os portugueses com a Presidência, mas ao mesmo tempo lançou bem fundo as sementes do populismo. Depois de Marcelo, qualquer celebridade com o dom de seduzir as massas poderá aspirar à Presidência.

Os apitos a rebate

Não há, hoje, como vemos pelo ‘Luanda Leaks’, mas já podíamos ter visto na derrocada da banca ou na tragédia da antiga PT, um verdadeiro combate ao crime se se quiser apenas usar os meios tradicionais da investigação.

Afinal Trump é ou não é um isolacionista?

Trump abandonou alguns temas muito caros aos liberais, mas a sua administração está comprometida na competição geopolítica com os seus diretos competidores, e a sua grande estratégia permanece consistentemente hegemónica.
Comentários