Politécnico de Santarém lança curso pioneiro para pessoas com deficiência intelectual

O curso Literacia Digital para o Mercado de Trabalho arranca este ano e é um exemplo de desmistificação da empregabilidade da pessoa com deficiência no ensino superior em Portugal.

Arranca este ano letivo 2018/2019 na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Santarém um curso pioneiro em Portugal para pessoas com deficiência intelectual. Literacia Digital para o Mercado de Trabalho não confere grau, mas responde a todas as directivas do Conselho Nacional de Educação, o que lhe dá certificação legal.

O curso pretende “colmatar uma lacuna na oferta formativa em Portugal, minimizando a falta de formação profissional adaptada”.

Os critérios de seleção incluem a apresentação de um atestado de incapacidade igual ou superior a 60%, ter competências básicas mínimas ao nível da leitura e da escrita e competência média/alta em termos de sociabilidade. Os candidatos serão ainda submetidos a uma entrevista de avaliação psicopedagógica.

O lançamento deste modelo de formação inclusiva em contexto de ensino superior valeu à Escola Superior de Educação de Santarém o primeiro prémio no Seminário Internacional “Educação Inclusiva – atitudes que transformam”, que decorreu nos dias 14 e 15 de setembro, em Lisboa. O trabalho “Literacia Digital para o Mercado de Trabalho – uma formação no ensino superior para jovem com dificuldade intelectual e desenvolvimental” é da autoria de Maria Potes Barbas, Isabel Piscalho, Cristina Novo, Helena Luís, Carla Bastos, Nádia Lopes e Mário José.

A ESES, em conjunto com a Associação Incluir e a APPACDM de Santarém, conseguiu ainda o 2.º lugar com o trabalho “Projeto Sou, Consigo e Faço – A inclusão profissional das pessoas com deficiência no mercado de trabalho”.

Recomendadas

Nações Unidas alertam para aumento da fome mundial. Saiba como contrariar o flagelo

No Dia Mundial da Alimentação, a campanha “Fome Zero” lança várias ideias para a combater a fome mundial, numa altura em que 820 milhões de pessoas sofrem de desnutrição crónica, de acordo com as Nações Unidas.

OE2019: Governo vai cobrar mais 640 milhões de euros em impostos

O Governo estima arrecadar 45.635 milhões de euros com impostos em 2019, mais 640 milhões do que estima para 2018, devido a aumentos de receita nos impostos indirectos que garantirão mais 377 milhões de euros aos cofres estatais. A receita prevista com IRS e IRC tem um menor crescimento. E o IVA vai assegurar mais 723 milhões de euros de receita.

Já tenho 48 anos. É tarde para mudar de emprego?

É inevitável a mudança dos profissionais que quiserem continuar a estar ativos, afirma Lourdes Monteiro, co-autora de Quero, Posso e Mudo de Carreira, ao Jornal Económico. Recomendação: não coloquem idade nem fotografia no currículo, na hora de se candidatarem a um novo emprego.
Comentários