Política de inovação e criação de novos mercados

Economistas de nova geração defendem que o Estado não deve ser um ator passivo nem um mero regulador da atividade económica; deve ser empreendedor e inovador.

Quando falamos em “política de inovação” estamos a falar de iniciativas públicas com a capacidade de influenciar o processo de inovação, incluindo as que atuam na sua difusão pela sociedade. Após mais de meio século de estudos sobre inovação, não é ainda hoje consensual, entre os economistas, que tipo de ação pública deve existir nem a forma ou a extensão em que essa ação deve ocorrer. Estas divergências influenciam o próprio processo de formulação política, com reflexos em posições mais ou menos extremadas sobre a intervenção do Estado no estímulo à inovação.

Resumidamente, podemos mencionar dois grupos de razões que a ciência económica aponta para que o Estado intervenha no estímulo à inovação. Uma advém da chamada “visão linear” da inovação, em que esta é vista, sobretudo, como um produto das atividades de investigação e desenvolvimento (I&D). Nesta visão existem “falhas de mercado” (por exemplo, a criação de novo conhecimento gera externalidades que são difíceis de apropriar por quem as gera) que justificam a necessidade de existirem políticas públicas de apoio às atividades de I&D. Um exemplo típico de política é o quadro regulatório de proteção de propriedade intelectual.

Um outro grupo de razões está ligado a uma visão sistémica da inovação (“não linear”, portanto), na qual esta é o resultado de um processo complexo, dinâmico e interativo. Aqui, vários atores intervêm na criação de inovações (utilizadores, universidades, empresas, etc.), influenciando-se mutuamente e em várias fases do processo de inovação, como se de um sistema se tratasse. Nesta perspetiva, podem existir problemas de funcionamento desse sistema (problemas de interação entre os agentes económicos, de capacitação, etc.), mas que poderão ser atenuados pela ação intencional da política pública. A política de ‘clusters é um exemplo que se enquadra nesta visão.

Contudo, há outros motivos pelos quais o Estado deve intervir no processo de inovação. Esses motivos relacionam-se com a procura de respostas para problemas económicos e sociais que surgiram nas últimas décadas, aos quais as tradicionais respostas se mostram insuficientes.

Nesta visão, defendida por economistas de nova geração, o Estado não deve ser um ator passivo nem um mero regulador da atividade económica; pelo contrário, deve ser ele próprio empreendedor e inovador. Os recursos públicos devem ser direcionados para áreas por si consideradas estratégicas (e onde a iniciativa privada não investiu ainda), estimulando a criação de novos mercados. Segundo este argumento, o Estado deve estimular a inovação através de uma visão de longo prazo no que respeita a objetivos políticos pré-definidos, suportada por uma estratégia clara de procura pública.

Esta última visão pode beneficiar economias de menor dimensão, como a portuguesa. Dadas as caraterísticas estruturais do nosso setor privado (reduzida dimensão das empresas, défices de qualificações, etc.), uma procura pública orientada para a inovação pode gerar um efeito mobilizador sobre a economia. O programa de Mobilidade Elétrica ou o SIMPLEX (lançados há uma década) são bons exemplos que têm gerado retorno económico e social para o país.

Para os próximos anos, a requalificação urbana, as “cidades inteligentes”, a produção de veículos elétricos ou os serviços públicos de nova geração poderão constituir desafios da política de inovação em Portugal, com potencial impacto na criação de novos mercados à escala global.

Recomendadas

Os amantes do ódio

Os que vivem de odiar os outros prestam um fraco serviço à sociedade e nada solucionam. Num mundo cada vez mais plural e interligado, a resolução dos problemas e dos antagonismos só poderá vir da procura sustentada de harmonia.

O triunfalismo do activismo na era dos ‘quase-cidadãos’ em África

Perante o triunfalismo do activismo no século XXI, impõe-se a seguinte reflexão: teremos de ser todos activistas para podermos exercer os nossos direitos em África?

O novo Governo e os seus desafios

O Governo deve olhar para as empresas, sobretudo numa altura em que os sectores exportadores, que têm sido o motor do crescimento, veem os seus principais mercados em desaceleração.
Comentários