Popular Seguros e Generali lideram reclamações no seguro automóvel em 2019, segundo ASF

Seguindo a tendência dos anos anteriores, verifica-se que, em 2019, a maior percentagem de reclamações encerradas refere-se aos ramos Não Vida, observando-se um crescimento de aproximadamente 14% relativamente ao ano de 2018.

Foto Cedida

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) publicou o primeiro Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado (RRSCM)  relativo a 2019. Analisando a conduta do mercado segurador, o relatório identifica as companhias com maior número de reclamações nos ramos de seguro mais representativos do mercado. A análise é feita com base num rácio de número de reclamações concluídas por volume de prémios.

Nas reclamações relativas ao ramo automóvel a líder é a Popular Seguros (Santander); seguindo-se a Generali e a Ageas Seguros e a Ociedental. Uma das companhias líderes tem um número de reclamações baixo – a Fidelidade, estando entre as três com melhor rácio. Só superada pelas CA Seguros e AIG Europe.

No que se refere ao seguro de acidentes de trabalho a média ponderada de reclamações a Seguradoras Unidas, a Ocidental, a Generali e a Lusitânia Seguros estão no topo da tabela. Ao passo que as companhias com menores rácios de reclamações sobre o volume de prémios (considerando sempre os processos concluídos) são aqui as Liberty Seguros; Caravela e Zurich PLC.

Número de reclamações sobem em 2019
Quanto ao número de reclamações, foram, no ano de 2019, iniciados 9.989 processos, representando cerca de 10% mais do valor registado no ano anterior. Desse número de reclamações recebidas, 9.415 foram analisadas em 2019. O que compara com 9.061 recebidas e 8.356 analisadas em 2018.

O aumento verificado foi acompanhado por um acréscimo de capacidade de resposta, aumentando igualmente o número de processos de reclamação analisados, cerca de 13% mais do que em 2018.

A apresentação da reclamação diretamente na ASF mantém-se a principal via escolhida, à semelhança dos anos anteriores. Mas, é de realçar que, em 2019, verificou-se um aumento significativo do número de reclamações apresentadas via Livro de Reclamações, aproximadamente mais 48% que no ano anterior, em virtude da implementação do formato eletrónico do Livro de Reclamações, disponibilizado para as entidades do setor financeiro a partir do segundo semestre de 2019.

Até final do ano de 2019 foram apresentadas 1.246 reclamações através deste novo formato. Em termos comparativos com o ano de 2018, o meio predominante usado para a apresentação das reclamações continuou a ser o correio eletrónico, assumindo em 2019 uma ligeira subida (cerca de 6%).

Ramo não vida lidera reclamações
Seguindo a tendência dos anos anteriores, verifica-se que, em 2019, a maior percentagem de reclamações encerradas refere-se aos ramos Não Vida, observando-se um crescimento de aproximadamente 14% relativamente ao ano de 2018, conforme revelam os dados da ASF, facto que acompanha a evolução apresentada no conjunto de reclamações analisadas. Ao todo em 2019 foram concluídos 8.352 processos relativos a queixas com seguros não vida (88,71% do total).

No âmbito dos ramos Não Vida, destaca-se a tipologia “Seguro automóvel” com quase metade dos processos encerrados.

O seguro automóvel foi aquele que registou o maior número de reclamações apresentadas, seguido pelos seguros de acidentes e doença. O conjunto destes seguros representa 62,7% do total das reclamações, sendo que 37,2% dessas reclamações resultaram em respostas favoráveis aos reclamantes.

De salientar, ainda, a proporção de respostas favoráveis aos reclamantes, nos seguros de acidentes e doença (44%). Por comparação com o valor registado a nível global (cerca de 34%).

“Por sua vez, a respeito das matérias objeto de reclamação, a temática Sinistro continua a ser predominante (cerca de 61%), na qual se incluem as matérias relativas à definição da responsabilidade pelo sinistro, à indemnização devida e aos procedimentos e conduta dos operadores na regularização do sinistro”, acrescenta a ASF.

No seguro automóvel a média ponderada corresponde a 2,4 reclamações por cada milhão de euros de prémios, variando aquele indicador entre 6,3 e 0,7 reclamações/milhões para os vários operadores considerados (considerando os processos concluídos). As seguradoras consideradas nesta análise foram: Popular; Generali; Ageas Seguros; Ocidental; Seguradoras Unidas; Via Directa; GNB Seguros; Victoria; Una Seguros; Mapfre Seguros Gerais; Allianz; Liberty Seguros; Lusitania Seguros; Caravela; Zurich PLC; Fidelidade; CA Seguros e AIG Europe.

Por sua vez, no seguro de acidentes de trabalho verificou-se uma média ponderada de 0,8 reclamações/milhões de euros de prémios, e os valores observados para cada empresa de seguros variou entre 1,3 e 0,2 reclamações/milhões.

A ASF salvaguarda que “não se pode daqui retirar, seguindo uma leitura simplista, que o grau de litigância no seguro automóvel é superior ao seguro de acidentes de trabalho, dadas as diferenças existentes na lógica de negócio, no ambiente envolvente e mesmo no nível de prémio médio associado a cada tipo de contrato”.

Os processos concluídos em 2019 em todos os ramos dos seguros subiram 12,67% face a 2018.

No que diz respeito ao ramo Vida (em 2019 foram concluídos 1.012 processos) e aos fundos de pensões, a maioria das reclamações, cerca de 72,5%, continua a incidir sobre o seguro de vida.  Em 2019 assistiu-se a um aumento significativo no âmbito das reclamações relativas a fundos de pensões (62,8%), “realidade que se enquadra na alteração ocorrida a partir de agosto de 2018, com a reversão das competências de supervisão, da CMVM para a ASF, em relação às adesões individuais a fundos de pensões abertos, em consequência da aplicação da Lei n.º 32/2018, de 20 de julho”, refere a autoridade reguladora dos seguros.

Desfecho dos processos de reclamação
No que toca a desfecho dos processos de reclamação, a ASF dá conta que, “no que concerne ao desfecho e sentido da conclusão dos processos de reclamação, é importante salientar que uma percentagem considerável de reclamações (cerca de 61%) não tinha sido previamente avaliada pela entidade reclamada”.

No que respeita ao desfecho dos processos, mantém-se a tendência dos anos anteriores, com cerca de 42% das reclamações concluídas com desfecho favorável face a 58% com desfecho desfavorável. É, no entanto, de sublinhar que em cerca de 92% das reclamações em que o desfecho foi desfavorável ao reclamante, a posição assumida pelo operador estava legal ou contratualmente justificada.

“Espera-se que dos processos abertos em 2019 apenas 4,9% correspondam a situações que não possam ser ultrapassadas no âmbito da gestão de reclamações, e que poderão implicar a intervenção da área core da ASF de supervisão comportamental ou o recurso dos consumidores a mecanismos de resolução alternativa de litígios ou, em última instância, aos Tribunais”, adianta a ASF.

No que se refere a informação reportada sobre as reclamações apreciadas pelas empresas de seguros, o relatório refere que os consumidores apresentaram às empresas de seguros, durante o ano de 2019, um total de 29.271 reclamações, das quais a apreciação resultou favorável aos reclamantes em 9.830 casos, representando um aumento de 2,1% face ao ano anterior. Por sua vez, face ao período transato, verificou-se que o número de reclamações apreciadas com resultado favorável ao reclamante aumentou cerca de 9,3%, o que levou a um nível de respostas favoráveis superior ao observado em 2018 (2,2 p.p.).

 

Ler mais
Recomendadas

Morgan Stanley regista lucro e receita acima do esperado no quarto trimestre

A receita, por sua vez, subiu de 10,9 mil milhões de dólares nos últimos três meses de 2019 para 13,6 mil milhões nos meses de outubro a dezembro do ano passado, superando as previsões dos analistas.

BEI mobiliza 50 mil milhões de euros para ajudar PME no primeiro semestre

O Banco Europeu de Investimento (BEI) planeia mobilizar cerca de 50.000 milhões de euros de financiamento no primeiro semestre para ajudar as PME através do novo fundo de garantia criado para lidar com as consequências da pandemia, foi anunciado.

Goldman Sachs e Bank of America surpreendem nos lucros em plena pandemia

Os maiores bancos dos Estados Unidos resistiram à recessão trazida pela pandemia do coronavírus, mas não ficaram imunes às baixas taxas de juro que a crise gerou. O Goldman Sachs teve a melhor receita de ‘trading’ de ações em 10 anos o que compensou a atividade bancária.
Comentários