‘Populistas’ há muitos

A definição, minimalista, está encontrada: qualquer português preocupado com o evidente agravamento do fenómeno da corrupção é um ‘populista’.

1 A definição, minimalista, está encontrada: qualquer português preocupado com o evidente agravamento do fenómeno da corrupção é um ‘populista’. Por isso, na opinião de alguns dos mais sagazes políticos do sistema instalado não há qualquer duvida: a candidatura de Ana Gomes à Presidência da República é um produto do populismo de esquerda – que, afinal, parece existir, simétrico do da direita.

Neste momento, em Portugal, quem ache que o combate à corrupção e a agilização dos processos de investigação e judiciais deve ser uma prioridade política, para travar o avanço do crime económico, é um populista.
Paulo de Morais, também ele ex-candidato presidencial, que acaba de lançar “O pequeno livro negro da corrupção”, com muitos nomes e situações de A a Z, é outro populista.

Rui Pinto, como salienta Marques Mendes, com a sua formatação profissional nos influentes escritórios da advocacia nacional, é apenas, e sem qualquer dúvida, um vulgar ladrão de documentos privados.

 

2 Quando Pacheco Pereira e António Lobo Xavier decretam, na ‘Circulatura do Quadrado’, perante o silêncio envergonhado de Ana Catarina Mendes, segunda figura do PS, que Ana Gomes é uma candidata representativa do nóvel populismo nacional, o acordo está selado.

O interessante é que este consenso de regime se forme do PS ao CDS, passando pelo PSD, pela voz de ilustres representantes da área da teologia partidária e dos negócios, da política sempre feita à sombra do Estado; gente que, aparentemente, nunca se engana, raramente tem dúvidas e construiu ao longo dos anos uma máquina de traficância variada, bem oleada, e que de ‘geringonça’ não tem nada.

3 Acredito que alguns destes personagens, não todos, entendam ser coragem a capacidade de questionar esta pulsão que não nasce nas sedes partidárias (pudera!), nos gabinetes ministeriais ou em qualquer das sedes emblemáticas da República, com o Parlamento à cabeça. Atribuo isso, em percentagem considerável, à idade. O Povo, que aos 20 anos estimula os sus líderes, a partir dos 60, em alguns casos casos, apenas aborrece quem dele tinha decidido cuidar. Já era assim na monarquia. Os reis chamavam a isso ingratidão e os nobres, na corte em volta, indignavam-se cada um em voz mais alta do que o outro.

Por cá, como é fácil constatar, os nossos ‘nobres’ atropelam-se nesse frenesim indignado nas televisões ditas de notícias.

 

4 Quem não tem medo do sentimento popular, como a esquerda não tinha outrora, só pode saudar o avanço de Ana Gomes. Aliás, esta candidata não só está a dar conforto a muita gente do PS, renitente ao voto na candidatura que irá ganhar, como constrói o refúgio adequado a quem, querendo André Ventura bem longe da vista, não entende sequer que a esquerda ofereça de bandeja à extrema direita o exclusivo da discussão de temas importantes. O combate à corrupção é o principal. A segurança é um dos outros.

É surpreendente, aliás, que a esquerda não se reveja sobretudo na militância de cidadania de Ana Gomes e prefira emboscar-se ao centro, na teia de interesses de que a Democracia deveria sempre ser inimiga mas que hoje inegavelmente protege, ao mesmo tempo que esmifra os meios dados à investigação e à Justiça. São escolhas. Os próximos anos dirão se esta foi boa.

Recomendadas

A raiz do medo

Se os ditos negacionistas pretendem ser respeitados, têm que começar por dar idêntico tratamento aos outros em vez de seguirem os passos de um aparente guru espiritual, que ora vestindo a toga, ora a beca, se permite considerar acima de outros cidadãos.

Como será o amanhã no mundo do trabalho? Responda quem puder…

A pandemia veio acelerar a mais que certa transformação digital, mas trazer agridoce incerteza ao mundo em geral, e ao trabalho em particular. A par das perdas, veio abrir oportunidades.

Lisboa, a Capital

Compete às autoridades municipais de Lisboa zelar pela segurança dos seus munícipes e exigir a correta manutenção da ordem pública. Em plena campanha eleitoral é, no mínimo, estranho que o tema não seja um dos principais a debater.
Comentários